14.10.13

Macross

Macross
Ishiguro Noboru - Artland
Anime - 36 Episódios
1982
6 em 10

Tal como estou com um projecto de Gandamu entre mãos (ver todos), sempre pensei em ter um projecto de Macross, exactamente igual. No entanto, comecei errado. Comecei pelo Zero e pelo Plus, seguidos de Do You Remember Love. Desisti do projecto. Entretanto, colocou-se esta ocasião, a de ver o Macross original. E foi bastante divertido!

Uma nave espacial gigante foi parar à Terra. Depois de reconstruída foi parar a Plutão. E esse pequeno universo ambulante parte de volta a esse planeta entre Vénus e Marte, interrompida frequentemente por toques alienígenas, sendo que os aliens são gigantes. Mas isto é só a justificação para acontecer uma história de amor entre Minmay, uma estrela pop futurista, e Hikaru, um piloto de mechas. O resultado final é uma novela melodramática com toques de humor que me fizeram aumentar o valor da avaliação em um (ou dois) pontos. Não se percebe se o humor é propositado ou não, mas funciona muito. Como explicar a aliens como se fazem bebés. Como Minmay a cantar para aliens. Enfim, tudo o que tem os aliens é hilariante.

Os personagens não podiam ser mais vazios e irritantes, com destaque especial para Minmay. Minmay é o protótipo da "mocinha", a Mary Sue perfeita, a pessoa no universo do anime a quem mais apetece encher a cara de estalos. A evolução dos personagens é simplesmente aquela que ocorre num quadrado amoroso, de uma simplicidade extrema. Nesse aspecto, por mais aborrecido que tenha sido, Do You Remember Love (que é uma versão alternativa desta história, condensada e ligeiramente alterada) faz um melhor trabalho.

A animação está bastante boa para a época, apesar de requerer um pouco de mais detalhe na maquinaria. No entanto, consideremos que a maquinaria, o mecha, não é a parte importante desta história. De todo. Os designs dos personagens têm o charme dos oitentas, pois só neles pessoas do futuro usariam coletes de camurça com franjas.

O ponto forte do anime é a música. Minmay é uma cantora e canta umas três ou quatro músicas diferentes, que têm todas elas aquela sonoridade característica do pop vintage. Foleiras mas maneiras! No entanto, acabam por ser um pouco repetitivas, já que são sempre as mesmas. Já no final, essas músicas acabam substituídas por efeitos sonoros, pela "evolução" da personagem. O tema de abertura e de fim são do mais foleiro que existe: adoro!

Este anime é um clássico. Mas não é um bom anime. Divertido? Com toda a certeza.

Sem comentários:

Enviar um comentário