30.1.13

A Vida de Pi

A Vida de Pi
Yann Martel
2001
Romance

Já há muito tempo que queria ler este livro. Na realidade, desde a primeira vez que vi a capa. Depois saiu o filme e o meu pai perguntou-me se eu o queria ver. Disse-lhe que o veria depois de ler o livro. Então o meu pai deu-mo! Viva!

Ora bem, Piscine Patel, vulgo Pi (3,14), é filho do dono de um jardim zoológico na Índia. Os seus pais decidem mudar-se para o Canadá e levam o jardim zoológico consigo, para o revender a outras partes do mundo. Acontece que o cargueiro Japonês em que se encontram naufraga e Pi vê-se num bote salva-vidas na companhia de uma zebra com a pata partida, um orangotango, uma hiena e um tigre, Richard Parker. Brevemente sobram apenas Pi e Richard Parker, que passam então a partilhar uma vida de náufragos no meio do Pacífico. E esta história é verdadeira.

A história de Pi é fascinante, a forma como ele conseguiu domar Richard Parker e estabelecer os seus limites e a forma como sobreviveu à custa de ver o tempo passar e ter fé. Quase que a perdeu, mas manteve-a. É inverosímil, é certo. Muito. Sobreviver sete meses a comer peixe e tartarugas na companhia de um tigre de bengala com três metros de comprimento. Aliás, há uma parte, a ilha carnívora habitada por suricatas, que torna a história muito pouco acreditável. Talvez tenha sido tudo imaginação do rapaz que esteve perdido no oceano durante tanto tempo. Mas mesmo sendo imaginação é uma história de sobrevivência para a qual todos devemos olhar com respeito.

O autor, que copia a história que lhe foi contada em primeira mão pelo próprio Pi, faz descrições belas e detalhadas dos momentos no mar. Tornam todos estes sete meses de horror numa experiência quase bonita, de tão detalhada que é. E a maneira como transmite a personalidade do personagem torna o livro ainda mais interessante e engraçado.

Fiquei descontente com o final. É certo que a verdade por vezes é simples demais para ser romanceada. O próprio Pi fica descontente com ele. Achei a adição da conversa com os técnicos Japoneses um pouco desnecessária, podia ter terminado logo na chegada ao México. Mas ainda assim...

Ainda assim uma história por demais fascinante. Gostei. Agora resta-me ver o filme e ver como transformaram isto.

Sem comentários:

Enviar um comentário