10.2.12

Casos do Beco das Sardinheiras




Casos do Beco das Sardinheiras
Mário de Carvalho
2004
Contos

Quando fui retirar este livro do quarto da minha irmã ela disse-me "é muito giro". Hoje fui à procura da data da primeira edição e encontrei comentários de estudantes do 10º ano a dizer que o livro era mais do que fabuloso. Mas eu... Eu... Eu... Eu não achei.

Isto são casos de um beco em Lisboa, que pode ser na Madragoa ou em Alfama (ou quiçá em Benfica), casos insólitos de coisas estranhas e surreais que poderiam acontecer a qualquer pessoa em qualquer beco de Lisboa. Imagino que o objectivo do autor seria caracterizar a população alfacinha de forma original. Ora portantos, acontece aqui um problema. É que eu sou de Lisboa. E isto não tem nada que ver com nada.

As histórias por si só até são engraçadas. Mas o que irrita mesmo é a forma como está escrito. É uma verdadeira seborreia verbal. Do tipo "quantas palavras originais que eu ouvi uma peixeira a dizer uma vez é que eu consigo enfiar na mesma frase?" Ora, em Benfica, nem mesmo no Mercado, não se fala assim. Em Alfama nunca ouvi ninguém a falar assim. E aquele abuso da palavra (que eu vou chamar de puta, porque passei a odiá-la) "escanifobético"... Que vá enfiar o escanifobético em qualquer lado!

Uma irritação que este livro me causou.

2 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar desse livro

    ResponderEliminar
  2. Garanto que o termo «escanifóbetico» existia nos anos 80 e era usado para denominar uma coisa estranha

    ResponderEliminar