30.10.15

Kill la Kill

Kill la Kill
Imaishi Hiroyuki - Trigger
Anime - 24 Episódios + 1 Special
2013
6 em 10

Este anime foi-me sugerido num dos clubes portugueses em que participo. Não o apanhei na época e não me sentia com grande vontade de o ver. Afinal, o mais provável seria não gostar (porque eu nunca gosto de nada) e por isso teria de escrever um comentário inadequado para os gostos da maioria da população, o que adviria em gritos e apitos. Mas vá lá, não é assim tão mau.

A história é altamente simples, baseando-se numa sucessão de lutas infindáveis entre pessoas que possuem umas roupas especiais que lhes dão poderes fabulosos. Tudo começa com os intervenientes de uma escola, com quem a estudante que acabou de ser transferida luta de forma a tentar descobrir quem matou o seu pai, seguindo para uma luta intergaláctica entre o bem e as forças do mal, que - evidentemente - tencionam destruir o mundo. Enfim, a história aparenta existir para que as cenas de acção, com muitas maminhas saltitantes, possa brilhar em toda a sua força. 

Acompanhando esta história simples e quase vulgar, temos um conjunto de personagens que não se poderia definir de outra maneira que não o estereótipo. Temos uma certa agressividade patente e, no geral, as suas atitudes e gestos combinam com a escolha estilística do anime, o OTT. Esta transmite-se através das personagens, cuja função é lutarem contra a força maléfica e uns contra os outros, e também através de muitos momentos que inspiram a comédia e o riso, sem nunca deixar o exagero para trás.

Ora, num anime que - como digo - parece viver para as suas cenas de acção, esperaríamos uma arte exemplar. Isso não acontece, de todo. A arte é francamente má. A animação tem um orçamento fraquíssimo e há uma poupança nas frames, assim como a sua repetição, sendo que anatómicamente há uma profusão de erros. No entanto (!) isto acaba por funcionar. Porque, em termos de execução, o anime entrega exactamente o que era a sua premissa: muita acção e muitas mamocas. Assim, poderemos perdoar uma arte e animação puramente defeituosas tendo em conta que, dentro do contexto, funciona lindamente e é fonte de entretenimento gratuito.

A versão que arranjei vinha sem OPs e EDs, portanto não as poderei avaliar. Isto é, posso ir ouvi-las, mas não é a mesma coisa que as apanhar no episódio em si. De resto, temos uma banda sonora bastante completa, quer em termos de canções quer em termos de efeitos. Por vezes pode tornar-se um pouco repetitiva, mas nada de exasperante. Quanto às vozes, ao início detestei-as, mas depois acabei por me habituar.

Em conclusão temos um anime muito simples, mas cuja execução pode ser considerada perfeita. Entregam tudo o que prometeram, nem mais nem menos, sem tentar ultrapassar-se filosoficamente ou em teorias extremamente complicadas, mas também sem se levar ao ridículo dentro do seu estilo exagerado e OTT. Compreendo a sua popularidade e aceito-a perfeitamente, mas não é o tipo de anime que recomendaria a todos. Talvez a fãs de shounen que procurem algo diferente para ver.

Sem comentários:

Enviar um comentário