Categorias

Explore this Blog!

Em Português: Anime | Manga | Cosplay | Livros| Banda Desenhada | Filmes | Teatro | Eventos

In English: Cosplay Portfolio (Updating) | SALES

21.10.18

Boku no Hero Academia 2nd Season

Boku no Hero Academia 2nd Season
Nagasaki Kenji - Bones
Anime - 25 Episódios
2017 
5 em 10 

Pensava eu que, depois de ver a primeira season de Boku no Hero Academy, não mais ouviria falar desta série. Mas a popularidade é uma coisa brutal e faz com que, uma e outra vez, voltemos aos mesmos tópicos e estejamos sempre a dar segundas oportunidades.

Infelizmente, esta segunda season desapontou-me logo a partir da ideia inicial. Se havia alguma excitação que restasse ainda da primeira season, era a perspectiva do desenvolvimento dos personagens e dos vilões. Sobretudo dos vilões. Agora, estes ficam para segundo plano para nos focarmos num concurso entre os "bons da fita", isto é, os alunos da academia dos heróis.

Com um formato em tudo semelhante a um YYK ou DBZ, acompanhamos as diversas lutas entre os alunos da escola e o seu percurso até se tornarem estagiários de outros heróis mais velhos. Isto é feito de forma muito borbulhante e divertida, cheia de cores e com os designs absurdos do costume, havendo um foco especial da animação nas secções de luta, que são extremamente frequentes.

Apesar de haver uma tentativa de dar alguma profundidade a certos elementos, a forma como isso é feito é tão infantil que acaba por ser despropositada. Como se fosse um anime feito apenas pelas e para as lutas, não precisando de se preocupar com o resto.

Assim, acabou por ser uma experiência agridoce. Por um lado, a excelência na animação. Por outro, o vazio completo que existe em termos narrativos e na sua globalidade criativa. Fica assim uma nota intermédia para não ferir susceptibilidades.

5.10.18

Planet With

Planet With
Suzuki Youhei - J.C. Staff
Anime - 12 Episódios
2018
5 em 10

Um daqueles animes que J.C. Staff faz por razões que nos transcendem. Um anime estranho e um pouco assustador, que nos deixa a pensar mas que, ainda assim, não deixa de ter algumas falhas.

Este anime fala sobre robots que lutam contra aliens e que lutam contra outros robots, na tentativa de salvar o planeta Terra de uma invasão de outros planetas. A história é muito simples e já a vimos muitas vezes, assim como as personagens e o seu desenvolvimento. Em termos narrativos não existe nada de verdadeiramente original, excepto a forma como a história está contada.

Se ao início temos um anime assustador, com designs bizarros e oriundos de um qualquer pesadelo, o autor consegue construir a narrativa de forma progressivamente mais evidente, mantendo sempre o mistério até ao fim. Tem também um toque de humor, por vezes inadequado.

A animação, apesar do estúdio poderoso que está por trás dela, é muito pouco detalhada, com recurso a objectos digitais demasiado evidentes e que estragam um pouco o prazer da visualização. O mesmo acontece com a música, que pode parecer desadequada a maior parte do tempo.

Este anime é uma espécie de ovelha negra da season, mas se calhar até foi o que gostei mais.



Persona 5

Persona 5
Ishihama Masashi - CloverWorks
Anime - 26 Episódios
2018
5 em 10

anime que já se prolongava desde a Primavera e que foi o meu inferno pessoal durante estes meses. Comecei a vê-lo porque uma rapariga em cosplay me disse que o devia fazer, para poder reconhecer a personagem que vestia. Maldita hora...

Adaptação de um famoso jogo, dizem-me os especialistas que este anime conseguiu "tornar a pior parte do jogo ainda pior". Disso não sei, sei apenas que foi um anime que me encheu de raiva e irritação. Um grupo de pessoas que faz crimes resolve também mistérios criminosos e é mais ou menos isso.. Têm máscaras e são tantas as personagens que uma pessoa deixa de saber para onde se virar. Tudo isto vem polvilhado por uma confusão de conceitos que tornam a história muito difícil de seguir se não existir um conhecimento prévio do contexto.

Em termos de animação, temos designs que se esforçam para ter detalhe, mas que falham redondamente tendo em conta o triste orçamento que foi utilizado. Temos algumas cenas de acção que se desfazem perante a paleta de cores muito escura, pouco distinguível e pouco agradável perante as ideias do anime.

Com vozes que colocam as suas personagens no ridículo, temos também uma banda sonora um pouco infeliz.

Não dou uma nota pior pela boa intenção do anime e por ter popularizado esse jogo que, dizem eles, é realmente bom.

Hataraku Saibou

Hataraku Saibou
Takahashi Yuuma -  David Production
Anime - 12 Episódios
2018
4 em 10

Um dos animes mais amados desta season, para mim foi o maior desapontamento do ano. Afinal, a minha formação científica impede-me de encontrar graça num anime que partilha tantos conceitos errados e sem sentido dentro da biologia normal do ser humano.

Com uma vaga inspiração no clássico do Era uma vez a vida, este anime mostra-nos o trabalho das células e para que servem. Infelizmente, foca-se única e exclusivamente nas células do sangue. São algumas, muito importantes e muito especializadas, mas deixa-me triste que as outras células do corpo, igualmente muito importantes e altamente especializadas, sejam apenas uma pessoa genérica com uma t-shirt a dizer célula. O anime teria ficado muito mais interessante se todas as células fossem abordadas nas suas funções, em vez de serem "nada". Para além disso, transmite erros científicos muito mal fundamentados que, no esforço para simplificar estas ideias ao máximo, acaba por mostrar ao público muitos dados errados que - interpretados desta forma - podem por em risco a vida de um paciente.

Para além dos eritrócitos, neutrófilos e plaquetas, também as outras células do sangue são pouco exploradas, sendo que o autor lhe deu designs infelizes, pouco concretos, que nada esclarecem sobre as suas funções verdadeiras. Sim, fico triste por a minha célula sanguínea, favorita, o basófilo, ter o design mais chunga de sempre. Também não faz qualquer tipo de sentido diferenciar os linfócitos em tantas variedades, mas ok, aceitamos isso.

De resto, é um anime infantil, com uma animação simples mas pleno de sangue (como é que as células sanguíneas sangram????), sendo o seu nível de produção bastante fraco e mal aproveitado.

Foi um anime que me deixou triste e com muita raiva, pelo que existindo mais seasons nunca as irei ver. Bem, nunca digas nunca....


Hanebado!

Hanebado!
Ezaki Shinpei - LIDENFILMS
Anime - 12 Episódios
2018
5 em 10
 
Terminando agora a season de Outono, acho que podemos concluir que foi a pior season a que assistimos nos últimos anos. Um dos seus animes mais esperados era Hanebado!, um anime sobre raparigas que jogam badminton. 
 
Temos de admitir que o anime faz um bom trabalho a caracterizar o jogo, a ensinar como jogar e acaba por cativar o espectador a começar a sua prática. No entanto, tudo o resto - da animação às personagens - é uma confusão de conceitos estéticos que não funciona de todo.
 
A narrativa é extremamente melodramática, com personagens dignas de uma telenoverla da América do Sul.  Os seus diálogos emocionantes e emocionais pecam por exagero, assim como todas as motivações das jogadora. Assim, parece que estamos a ver um drama de faca e alguidar, com todos os elementos esperados de um drama de faca e alguidar, em vez de um anime desportivo sobre badminton.
 
A animação, tendo momentos excelentes, acaba também por se tornar estranha: o foco dado às formas do corpo e, sobretudo, a maminhas que orbitam no seu peito, em todas as direcções, é  estranha e incapacitante, retirando o foco ao jogo e tornando os designs das personagens bizarros e pouco naturais.
 
Musicalmente, temos uma OP estranhamente divertida para o ritmo da série, assim como a ED.
 
Um anime bastante fraco, que foi um desapontamento para todos.

2.10.18

The Old Capital

The Old Capital
Yasunari Kawabata
1962
Romance

Um delicado romance japonês, de um laureado Nobel, sugerido pelo grupo Eden.

O narrador é apenas um olhar. Um olhar sobre a velha capital, a antiga cidade de Kyoto. Nesta antiga realidade, também as pessoas, os hábitos, as visões, tudo é revestido de uma idade que normalmente dignamos apenas às plantas.

Com uma história muito simples, mas ainda assim cativante na sua falta de conclusão, o autor dedica-se a seguir os passos das nossas personagens, mostrando-nos através das suas contemplações como é a cidade na verdade. E é de uma beleza extrema, fulgurante e quase comovente. A observação das estações, da luz do sol, da cor das flores e do seu perfume. A admiração da sabedoria das ~´árvores e das pedras, a definição do templo, tanto o divino como o profano.

Tudo isto feito de uma forma tão discreta que quase que não parece propositada.

Um livro muito equilibrado, calmo e simples, uma leitura de puro prazer. Recomendo!

BLACKkKLANSMAN

BLACKkKLANSMAN
Spike Lee
2018
Filme
7 em 10

Fomos ao cinema em busca deste filme: o trailer deixou-me fascinada!

Um jovem negro entra para um departamento de polícia onde, após algumas complicações, o deixam ir para o serviço de agentes undercover. Da forma mais improvável possível, este jovem inexperiente encontra-se infiltrado dentro dos anais do Klu Klux Klan. E agora?

Este filme é uma forte mensagem para a actualidade, uma espécie de reflexão do autor sobre a situação que a comunidade afro-americana tem sofrido sob o regime neo-fascista vigente hoje no seu próprio país. Essa mensagem, tanto mais reforçada pela improbabilidade da história que está a ser contada, é especialmente pungente nos discursos de ódio proferidos ao longo do filme, em oposição à frieza dos agentes que não podem nunca deixar cair a sua máscara.

Fazendo recurso a várias técnicas divertidas de filmagem e edição, temos um filme fiel às suas origens e também uma espécie de homenagem ao passado cinematográfico protagonizado pelas estrelas dos filmes: BLACK

Também a música, guarda roupa e a própria interpretação dos actores nos remetem para este passado, que não é assim tão remoto, enchendo o campo de visão da referência funk e pop da época em assim caracterizando na perfeição as acções.

Apesar de dizerem que a história é real, fiquei bastante desapontada com o final. Penso que poderia ser mais positivista, apesar dessa não ser a realidade. É uma dúvida que fica mas, ainda assim, recomendo bastante que vejam este filme!