13.10.16

Uma Vida Imaginária

Uma Vida Imaginária
David Malouf
1978
Romance

Recebido num BookRing do BookCrossing :)

Foi a minha primeira experiência com este autor, que é tido por muitos como fundador de novas correntes filosóficas sobre a vida moderna em geral. Foi uma experiência quase transcendental: fui quase obrigada a ler este livro muito devagarinho, apenas para o poder saborear melhor.

O poeta romano Ovídio foi exilado para um lugar do qual não se sabe muito. O autor situa-o numa montanha, mas junto ao mar. Ovídio não conhece a língua local, não pode comunicar. E reflecte muito sobre a vida e sobre o seu lugar no mundo. Quando adopta uma criança selvagem, que vivia na floresta como um animal, começa a redescobrir uma língua que antes só via nos seus sonhos infantis. E isso leva a que ele descubra muito sobre si próprio e sobre a sua relação com o mundo que o rodeia.

Estas conclusões são belas, é um encontro do homem com a activa passividade da natureza, o encontro daquele que apenas sabia falar com um mundo real que é feito de silêncios e ruídos que não constituem palavras. O personagem, através da Criança, encontra um eu interior que estava perdido desde o momento da sua maturidade. Parece haver uma quebra entre os momentos em que Ovídio via a Criança e quando deixou de a encontrar. Agora, estão juntos de novo.

Esta conclusão pode dar-nos muitas ideias sobre o que fazer com as nossas próprias vidas. O encontro da criança interior, a perda da linguagem. A eventual ligação, fatídica, com o mundo em nosso redor. A felicidade por nos encontrarmos nesse lugar.

Por isto é que o livro é considerado como revolucionário. Porque nos mostra a realidade por uma perspectiva que está lá, que evidentemente está lá, mas que sempre nos recusamos a ver. Procurarei, agora, ser um pouco mais como Ovídio. Espero que leiam este livro e tentem sê-lo um pouco também :)

Sem comentários:

Enviar um comentário