21.2.17

O Meu Irmão

O Meu Irmão
Afonso Reis Cabral
2014
Romance

Dizia eu ainda há pouco qe já não confiava no prémio Leya. Assim, quando me enviaram este livro na Troca de Natal do BookCrossing, fiquei de pé atrás. Para mais, o autor esreveu-o aos 24 anos. E pela descrição na aba do livro, parece um belíssimo cromo. No entanto, temos de admitir: este cromo escreve bem para cacete!

Este livro fala de sobre muito mais do que pensaríamos inicialmente. Um homem, professor na faculdade de letras, tem quatro irmãs mais velhas e um irmão mais novo. Este, tem síndrome de Down. Quando os pais morrem, ele decide - contra todas as expetativas - ficar com a guarda de Miguel, o rapaz deficiente (que, por esta altura, já tem quarenta anos). A história começa quando eles vão para a pequena aldeia do Tojal passar uma semana, tendo apenas uma única amília, ela própria com seus problemas, como vizinhos.

Poderíamos pensar que este livro se completaria como uma comiseração do problema da deficiência. No entanto, o autor trata-a de forma crua e, precisamente por isso, muito realista. Ter um "mongolóide" à sua guarda não é tarefa fácil, por mais que nos esforcemos por provocar o amor, e o autor consegue fazer com que essa questão se reflicta nos seus personagens.

Também não é um livro que fale do isolamento das aldeias portuguesas (tema recorrente na nossa literatura), sendo que esta aparece mais como pano de fundo para o desenvolvimento do personagem do que outra coisa.

e é esse o ponto que roça a genialidade deste livro. A história não é sobre o deficiente. A história não é, de todo, sobre os problemas que estas pessoas enfrentam no dia a dia. Aliás, todos eles são frequentemente referidos como seres inferiores que podem aser troçados e abusados pelos elementos mais fortes, contra todas as expectativas do políticamente correcto. Este livro, na verdade, fala sobre a incapacidade de um homem em sentir uma ligação emocional com os outros. Sendo que, neste momento, o foco é o irmão deficiente.

Por isso a sua luta constante contra o sujeito de afecto do irmão. Por isso o forçar constante por regr4as, por obediência, por uma estabilidade que seria impossível, devido aos problemas físicos e mentais do rapaz. Este é um livro que fala sobre uma pessoa horrível. E a forma como o autor nos demonstra isso, a nos que até nos identificávamos com o narrador e compreendíamos a sua dor, é feita com uma subtileza e mestria arrepiantes.

Por isso, gostaria de mandar um mail a este rapaz dizendo: sois um cromo, mas escreves pra caralho.

Sem comentários:

Enviar um comentário