7.12.15

A Scanner Darkly

A Scanner Darkly
Richard Linklater
2006
Filme
7 em 10


Mais um fim de semana e, outra vez, o Qui tentou colocar-me a ver um filme do David Lynch. Mais uma vez consegui recusar-me afirmando que tenho medos (o que é verdade), pelo que acabámos por ver este filme de animação.

Trata-se de uma película animada em rotoscópio, à imagem e semelhança de um certo anime que todos detestaram, Aku no Hana. Neste filme podemos, finalmente, ver as fantásticas vantagens desta técnica de animação, dentro do contexto. Para começar, os movimentos dos personagens tornam-se altamente detalhados, como apenas seria possível por actores reais. Também a mistura entre elementos reais e animados torna todo o filme numa experiência um pouco alucinada e, por vezes, exasperante e até cansativa. Isso vai de encontro aos objectivos propostos por este filme. No entanto, a grande desvantagem que vejo é precisamente o facto de a animação tornar o filme cansativo para os olhos, assim como o facto de os cenários - altamente detalhados - poderem parecer um pouco confusos.

De resto, trata-se de uma adaptação de uma história de ficção científica de Philip K. Dick (o já famoso), que fala sobre os efeitos de uma misteriosa e muito potente droga conhecida por Substance D. Um agente infiltrado envolve-se nos meandros do consumo desta droga e deixa de saber quem é: afinal de contas, ele está a perseguir-se a si próprio. Assim, o filme acaba por se tornar no relato de uma viagem psicadélica, em que a trip e a realidade se confundem dentro da cabeça do nosso personagem principal, à medida que as suas ligações ao mundo terreno vão desaparecendo e ele deixa de saber o que é a verdade.

O final do filme é fatídico e não nos traz qualquer tipo de esperança, sendo que as revelações finais podem ser um pouco misteriosas para um visionante menos atento. Ainda assim, se considerarmos (como eu o fiz) que o filme se trata dos caminhos tripados de um homem perdido no mundo, o filme torna-se bastante mais fácil de interpretar.

Recomendo vivamente para que vejam que, realmente, o rotoscópio pode ter resultados fascinantes. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário