8.3.17

Fortaleza Digital

Fortaleza Digital
Dan Brown
1998
Romance

Na altura do pico de popularidade deste autor, prometi a mim própria, após uma leitura em diagonal de uma edição francesa dos seus livros, que nunca lhe iria tocar nem com o cabo de uma vassoura. Mas entretanto parece que o cabo de vassoura se tornou no cabo de um piaçaba, porque não cumpri a promessa: dentro dos livros furtados à minha irmã estava este e não resisti a lê-lo.

De leitura simples, este é um romance sobre a paranóia dos segredos digitais (mais tarde revelados verdade pelo Sr. Snowden), cheio de acção e muitos twists para resolver. Infelizmente, tudo é bastante previsível e simplificado, uma espécie de Umberto Eco para as crianças (digamos assim).

Os personagens são, para começar, demasiado perfeitos. Inteligentíssimos, brilhantes, bonitos, atraentes, tudo têm de bom. E a verdade é que não ficam nem melhores nem piores, porque são completamente estáticos na sua caracterização.

Depois, os mistérios e a forma de resolução são tão previsíveis como pouco coerentes. Como é que a mestra dos anagramas e da criptografia tem de ser ajudada pelo seu noivo para resolver o problema. Para mais, há um denegrir da figura feminina ao longo de todo o livro, em que estas figuras são sempre tomadas como o elo mais frágil da cadeia, não demonstram qualquer tipo de personalidade nem movimento em relação à acção que se desenrola.

Apesar de ser um livro enorme, lê-se num instante, como um qualquer blockbuster de cinema.

1 comentário:

  1. Ahahah, adorei imaginar-te a tocar no livro com o cabo de um piaçaba!
    Boa review.

    ResponderEliminar