8.4.15

Chico & Rita

Chico & Rita
Fernando Trueba e Javier Mariscal
Animação
2010
6 em 10

Depois de viajar pela Macaronésia, fui com o Qui um pouco mais perto, até ao meu casinhoto na fantástica terra Moçarria, terra essa onde se lê bastante e se vêm filmes. Pelo menos na minha casa é assim. Chegámos no Sábado e achámos por bem dedicar esta noite à animação, vendo este filme Espanhol (e não Cubano, ao contrário do que seria de esperar) e o End of Evangelion. Quanto a este último, não escreverei um comentário sobre ele agora, pois estou a aguardar por uma outra celebração para escrever uma análise extensiva e completa.

Mas voltemos ao Chico & Rita.

Tudo começa na Cuba pré-Castro, em que a arte musical se encontra livre e altamente sensual. Chico é um pianista com sonhos e ambições, que acaba por se unir numa paixão acesa a Rita, uma cantora. Quando trabalham juntos, o resultado é maravilhoso, mas as tendências poliamorosas de ambos comprometem a sua relação e acabam por se separar, viajando para os Estados Unidos onde obtêm cada um relativo sucesso.

A história é bastante simples, envolvendo muita música e muita dança, mas levando-nos a um universo de erotismo naturista e sensualidade que apenas seria possível num país livre da América Latina. O choque cultural com o continente do norte está muito bem expressado, não só através do diálogo como das próprias atitudes dos personagens. No fundo, trata-se de um romance que nunca pode funcionar mas que é verdadeiro e puro. Aí reside a força dos personagens, que apesar de tudo podem ter alguns comportamentos erráticos (ainda que bastante humanos).

A animação é mista, com uma utilização um pouco evidente de CG que, fazendo parte da estética, não se coaduna muito bem com os cenários. Os designs dos personagens são realistas e cativantes, sobretudo na expressão do olhar. Poderia ter sido feito um uso mais alargado de uma paleta de cores vivas, o que poderia representar a alegria destas pessoas em contraste com os momentos mais pesados.

Sem dúvida que o aspecto mais forte é a banda sonora, com um misto de ritmos latinos e jazz. O tema recorrente é belo e inspirador. São feitas referências diversas a artistas da época, mas eu não as compreendi porque o meu conhecimento sobre o reino do jazz é limitado (foi o Qui que explicou). Talvez o filme tivesse sido imensamente mais divertido se eu tivesse captado estas referências todas.

Um filme romântico e quente.

Sem comentários:

Enviar um comentário