7.9.14

Amadeus

Amadeus
Milos Forman
1984
Filme
9 em 10

Havíamos regressado de uma festa diplomática em casa do Senhor Embaixador do Brasil. Meio enjoada com a quantidade de quitutes volantes e com a apresentação deprimente da Wanda Stuart (a do cabelo azul), amochei-me no amarelo para ver um filme. Não sabia que o filme ia durar três horas. Não sabia que o filme ia ser tão bom.

Reconheço que Mozart não é de todo o meu compositor predilecto. Aliás, nunca gostei de tocar e gosto de ouvir muito pouca coisa. Mas uma coisa temos de admitir: o homem era um génio. Sempre foi um mistério para todos como acabou por morrer na maior das depressões e das misérias. Este filme mostra uma perspectiva moderna e refrescante sobre a sua história, contada por um outro génio da sua época, Salieri.

Mozart é, no seu século, o que seria equivalente à rockstar de hoje em dia. Está simplesmente a fazer a sua cena, para desagrado da crítica, despenhando-se em vícios e em festas até que, no final, cede ao desespero e à doença. Por outro lado temos Salieri, um devoto que deseja ser o mais famoso da sua época mas a quem "deus" apenas dá o dom de reconhecer o imenso talento de Mozart. Na sua luta contra a gargalhada de deus, que na sua loucura Salieri acha estar especialmente contra si, ele faz tudo para levar Mozart à miséria, acabando por contribuir para a sua morte. Isso leva-o à loucura e a um asilo, que é onde a história é narrada.

Esta história tem muitos elementos, desde o romance à intriga política, que só poderiam ser ilustrados nesta época de infâmias e de extremas vaidades. Apesar da época, a história e o diálogo são modernos, trazendo imenso realismo a toda a narrativa.

Isto não seria conseguido sem a performance de actores extremamente competentes e, diria mesmo, extremamente talentosos. Ambos traduzem para o "palco" os seus personagens com uma perfeição constante e emotividade muito equilibrada. O papel de Salieri louco pareceu-me ser bem complicado e especialmente estimulante.

O fausto e pompa da época estão nos cenários e nos guarda roupas, todos cheios de detalhe. As óperas estão concretizadas com uma mistura de modernidade e classissismo que as torna interessantes até para aqueles que nunca apreciaram ópera.

É um filme de génio sobre génios. Com imensos detalhes saborosos, merece ser revisto vezes e vezes sem conta. Aliás, vi-o ontem e já estou ansiosa por o ver outra vez. Recomendo uma vez e mais outra.

Sem comentários:

Enviar um comentário