24.5.16

O Medo

O Medo
Stefan Zweig
Anos 30
Contos

A propósito da organização de um pic-nic Bookcrossing, fui ter ao Jardim da Quinta das Conchas para me encontrar com um amigo online deste agrupamento. Ora, este amigo criou uma coisa muito engraçada neste jardim: uma LFL - Little Free Library. Trata-se de uma casinha cheia de livros, que as pessoas podem tirar à vontade, podendo também deixar outros volumes que lhes pareçam bem. Vejam aqui a página do projecto! Ora, eu tinha levado um livro para lá deixar, tendo intenção de trazer outro para experimentar. No entanto, acabei por trazer dois: um que escolhi da casinha e outro que me passaram porque eu sempre tinha tido curiosidade em ler este autor.

Este pequeno volume reúne quatro contos que retratam fielmente a vida Europeia nesta época entre-guerras. Falam da vida das pessoas normais, da observação que os personagens fazem das suas actividades e atitudes, numa linguagem simples mas mesmo assim plena de beleza e complexidade. Achei apenas que houve uma repetição demasiada da expressão "articulações anquilosadas".

Falemos dos contos um por um:

O Medo - Esta história fala-nos de uma mulher que trai o seu marido e que, perante a descoberta deste facto pela parte de uma pessoa estranha que começa a fazer chantagem com ela, entra numa espiral de pavor e receios, sempre atormentada pela perspectiva de o seu marido descobrir o que se passa. Foi um conto um pouco perturbador e desagradável, na medida em que nos infiltramos totalmente nos receios da personagem e a sua tormenta é transmitida para o leitor.

Revelação Inesperada de Uma Profissão - Um homem sem muito que fazer naquele dia diverte-se a observar um gatuno a executar o seu trabalho. Este conto parece-me mais um relato da vida diária dos habitantes de uma cidade do que outra coisa. Não tendo muito interesse sobre as conclusões que o narrador tira das atitudes do ladrão, acaba por ser interessante observar os comportamentos das pessoas que os rodeiam.

Leporella - Este foi o conto que gostei mais. Uma mulher limitada e feia ganha uma paixão pelo seu patrão a ponto de concretizar actos irreflectidos às pessoas que os rodeiam. Achei que houve uma caracterização profunda de todos os personagens, de forma a que podemos identificá-las perfeitamente e encontrar uma ligação com elas. Todos eles aparentam ser detestáveis mas a forma como o autor descreve os seus sentimentos impede-nos de os odiar completamente. Também mostra um pouco da vida diária numa casa rica, o que é algo que sempre me agrada ler.

O Alfarrabista Mendel - Também gostei imenso deste. Descreve as atitudes de uma criatura estranha que habita uma mesa de café: um alfarrabista que tudo sabe sobre todos os livros. No entanto, o seu final é triste quando estala a guerra e ele, na sua inocência, acaba por ser levado para um campo de concentração. é um conto que nos remete para a paixão pelos livros, sendo que nos leva a ter grande pena por Mendel, este personagem, e desejar que tudo lhe corra bem: afinal de contas, no meio de tudo isto ele apenas quer ler livros.

No geral, é um conjunto de contos curioso e quase uma referência para a caracterização da época. Gostei bastante e, seguidamente, irei partilhá-lo :)

Sem comentários:

Enviar um comentário