24.5.16

Mockingjay - Part 2

Mockingjay - Part 2
Francis Lawrence
2015
Filme
6 em 10
 
E, no fim do mês, termina a nossa saga de Hunger Games! Este filme é, portanto, a conclusão. De certa forma, desapontou-me um pouco, pois esperava algo diferente, segundo a ideia que tinha dos livros.

Neste filme entramos, completamente, num universo bélico. Katniss, a nossa personagem principal, procura por todos os meios assassinar o homem que a atormenta: o Presidente Snow. Nesse ponto, o filme desenvolve a relação de forma distinta e bastante interessante, pois existe um conflito directo entre os dois personagens que, no fundo, apenas se comunicam através de mensagens televisivas e nunca pessoalmente (excepto na parte final).

As cenas de acção estão bem integradas, assim como os efeitos digitais. Os mutts foram recriados de uma maneira bastante diferente do que eu tinha imaginado, mas a sua luta acaba por ser satisfatória no respeitante ao desenvolvimento dos personagens. Também há uma recriação muito coerente do universo do Capitol, embora as paisagens desérticas não correspondam totalmente ao universo do livro.

O culminar da acção também foi um pouco diferente, mas o filme arruma todas as situações de forma lógica e talvez mesmo um pouco previsível. A forma como os regimes transitam pode ser extrapolada para a vida real (de um mau, vem outro ainda pior).

O que, para mim, estragou mesmo a saga foi o final: totalmente diferente do que eu havia lido. No livro, o final é denso e terrível porque os personagens nunca se conseguem libertar totalmente dos seus traumas, sendo que no filme nos é apresentada uma cena bucólica plena de alegria familiar. Isto não está de acordo com o desenvolvimento dos personagens até ali, podendo mesmo ser considerado o oposto total.

No entanto, foi uma saga de filmes que me viciou durante estas semanas e na qual não conseguia deixar de pensar por um momento! Assim, posso dizer que - em termos de filmes dirigidos para a adolescência - este é um exemplo excelente do que se pode fazer num universo distópico.

Sem comentários:

Enviar um comentário