9.5.16

Iberanime 2016

Iberanime 2016
Evento
Ora bem, mais um ano, mais um Iberanime... E desta vez eu não estava a trabalhar! Viva! Viva eu! Desta feita, lembrei-me de um sukito de grupo que já queria fazer há muito tempo, mas para o qual ainda não me tinha ocorrido procurar pessoas que se ajuntassem para o projecto. Felizmente, assim que falei com algumas gentes, logo conseguimos reunir cinco pessoas maravilhosas para atrofiar em palco e fazer uma coisa que gira! =D
 
Portanto, começarei pelo dia de Sábado, que foi uma espécie de pré-evento que se constituiu de um
 
 
Ensaio!

Sábado. Hora de almoço. Terminei a minha aula e chove, porque se trata do fim do mundo. Chove mesmo uma multidão imensa de gotas, grandes e pequenas, todas molhadas e encharcadas. O trânsito está um caos, a estrada está um caos, ainda preciso de ir ao Vasco da Gama almoçar e, entre weeaboos e turistas franceses com parkas vermelhas, está tudo um caos. Hiperventilando, engulo uma salada de massa fria que adquiri por um preço exorbitante, e vou a correr buscar o nosso prop ao carro, para o levar ao ponto de encontro. Chove. 

No ponto de encontro, há um desencontro e acabamos por ser só três a ensaiar. Como vamos fazer isto? Para mais, já disse que estava a chover? É que estava e muito. O Pavilhão de Portugal, onde tínhamos pensado ensaiar, estava cheio de bicicletas e pessoas vestidas com papel de alumínio de cozinha. E tudo encharcado! Então, lá fomos os três (mais auxiliar :) ) para debaixo da estação dos autocarros, onde eu tinha visto um piquenique.

Lá, pintámos o nosso prop: um belíssimo objecto recortado pela minha pessoa, com uma forma facilmente identificável, claramente um dos melhores cenários que alguma vez tive a graça de conceber. E pintado ficou ainda melhor! Porque pelo menos um elemento do grupo, tem jeitaça para pintar cenas!

Ensaiamos bastante e chegámos à conclusão de que não íamos nunca aprender a dança que havíamos planeado. Então dançámos a carvalhesa, eu fiz a parte de uma pessoa que estava ausente, arrumámos mais ou menos as ideias e gravámos um vídeo para mostrar.

Aguardo ansiosamente o download desse vídeo, para o colocar na minha página e mostrar ao mundo o processo de criação! =D Falando em processo de criação, vou-vos falar de uma cena: este skit, não fui eu que o fiz. Eu, por mim, só me lembrei da música idiota. O resto, fizemos toooodos juntos! Foram algumas semanas de conversas pelo face e pelo skype, a pensar em novas ideias, a fazer brainstorming, a corrigir detalhes do audiovisual... É sempre fantástico quando se reúne um grupo de pessoas malucas, todas a trabalhar pelo mesmo objectivo que é.... RIR!

Portanto, passo a apresentar os membros da troupe!

Com o poder do fogo! Pedro.... Gokuh!
Com o poder da terra! Tatiana.... NamelessDreamer!
Com o poder do ar! Tabby.... Tarzan!
Com o poder da água! Catarina.... Catarina!
E com o poder do pum! Eu!

Juntos fazemos...

Os Dragonbólicos Anónimos! 




Depois, voltei para casa e o Bequi (o meu carro) aquaplanou numa poça de água gigante e eu ia morrendo do coração. Por um instante não ia haver Bulma D: Entretanto o Qui veio ter aqui onde estou, jantámos, vimos um filme (comentarei de seguida) e só no final reparámos que o filme tinha quase três horas e que já era de madrugada.

Dia de Evento Propriamente Dito

Tinha ido dormir sabendo que teria de acordar muito cedo e que, por isso, só ia dormir cerca de três horas. E assim foi: tocou o relógio, acordei, meti no snooze; o snooze tocou, acordei, desliguei e fechei os olhos para ganhar impulso para me levantar. Mas nunca mais me levantei. Só acordei às 8:50, uma hora e vinte mais tarde do que tinha planeado. Tinha de estar no backstage às 9:00. 

Estão a ver o pânico induzido daquele momento de despertar? É que nem deu tempo para ter ressaca!

Telefonando e mandando mensagens a todos os dragonbólicos ao mesmo tempo, despachei-me em tempo record e voei até ao Parque das Nações! Um caminho que costumo fazer em meia hora... Dez minutos e estava já a correr para o Pavilhão Atlântico (que eu sei que agora é Meo Arena, mas eu não o vou chamar isso, coitado). À chegada, vi o primeiro elemento estranho: uma fila com para aí uns mil e trezentos metros de comprimento, com pessoas à espera. Pensei que no dia anterior esta fila deve ter sido um sofrimento sofrido, porque chovia copiosamente. Vi a fila para apanhar as credenciais e dei uma de cara podre: estava uma hora e meia atrasada para a minha cena, podiam deixar-me passar à frente que era uma coisa rápida? Deixaram, porque o pessoal é todo super-fixe e bacanudo. <3 Infelizmente, demorou mais do que eu pensava: a senhora começou a fazer telefonemas diversos e só passado uns minutos me disse que não era ali, era acoli, numa porta que eu não havia encontrado no dia anterior.

Repare-se que eu tinha falado com esta senhora no Sábado a propósito de outro assunto que relatarei aqui. Passou-se que nos enviaram um e-mail dizendo informações diversas, incluindo o facto de os acompanhantes precisarem de bilhete para entrar. Até aí tudo bem. No entanto, dizia também que eles não podiam entrar connosco às 9:00. Só às 10:30, na abertura de portas. Ora, isto para a senhora só fez sentido depois de lhe explicar, mas a verdade é que os cosplayers precisam de acompanhantes por razões diversas: carregar coisas, dar beijinhos, buscar águas, ajudar a vestir, etc. etc. No nosso caso, não precisávamos de muita ajuda, como é evidente. Mas estavam lá pessoas com fatos bem mais complexos a quem certamente faria falta um acompanhante para ajudar! E o acompanhante estava restrito! Quando eu expliquei isto à senhora no Sábado, ela ficou muito pálida, ciente de que isto era uma excelente ideia para eventos futuros. Disse que ia apontar. E, realmente, não sei o que fez a boa senhora, mas deixaram o Qui entrar para o backstage como uma pessoa normal, dando-lhe a merecida fita azul a dizer "Iberanime".

Lá dentro, após uma sucessão de portas sem fim, encontrei o resto das pessoas. E fomos ensaiar! A primeira parte do dia consistiu, essencialmente, em ensaiarmos todos juntos muitas vezes, para alinharmos todas as ideias. A dança da carvalhesa foi eliminada (boo), acrescentámos mais detalhes que nos pareceram giros e rimos milhões no processo. Por exemplo, senhor do staff do Pavilhão Atlântico: "OH VEGETA!"

E depois foi o concurso propriamente dito! Éramos os terceiros a entrar e nessa altura deu-me o buzz do palco e depois... Correu lindamente! Não podia ter corrido melhor! O público bateu palminhas, riu-se connosco, acho que gostaram :) Mas, o mais importante, para nós foi mesmo muito divertido, estávamos todos concentrados, demos o melhor que podíamos e foi um sukito cheio de uma energia que eu já não encontrava em mim própria há muito tempo!

Deixo-vos aqui o vídeo, caso não tenham tido oportunidade de ver :)
(Está a fazer o upload, amanhã já o devo por aqui)

Depois, fomos almoçar e foi, mais ou menos, cada um para seu lado (embora nos tenhamos voltado a ver ao longo do evento). Infelizmente, só deu para ver um dos outros skits, um de LoL, que apanhámos de passagem de quando estávamos a voltar da rua entre a nossa actuação e o fim do concurso. Estava muito engraçado, pelo que vi, e as pessoas estavam a adorar! :)
Almoço de hamburguesas e estamos de volta. Tinha começado a chover e estava um frio de morte matada. No regresso, depois de um merecido café, ainda considerei entrar pela porta dos normais, mas continuava uma fila desregrada. Assim, fizemos uso dos nossos poderes e fomos pelo backstage. Mas, devo dizer, que backstage complicado! Portas e mais portas, num ambiente quase kafkiano, sempre com seguranças, guardas e meninas de lenço azul a dizer que não podíamos estar ali, que devíamos estar em outro lugar, que isto e que coiso e que cena e que o elevador é só para as pessoas. Porque nós, na verdade, somos umas plantas que fugiram do Horto do Campo Grande.

Agora, sobre o espaço.

Um pavor. Aumentaram o espaço, é verdade, mas também aumentou a afluência. Apesar de Domingo ser um dia tipicamente mais calmo, a zona das lojas estava um verdadeiro motim. Mal havia espaço para andar, quanto mais ver o material que estava à venda! Acho que grande culpa disto se deve às pessoas em si... As pessoas não sabem circular, é tudo ao molho e fé em deus. Devíamos ser um pouco mais organizados e andar pela direita, facilitava logo tudo. O ar era quase irrespirável e tirar fotografias aos (poucos) cosplayers que ia vendo era uma aventura digna de Dante. Para além disso, pareceu-me que as bancas estavam organizadas de uma forma que em nada aproveitava o espaço disponível, tornando-o muito menor do que deveria ser.

Quanto às lojas, pareceu-me haver um exagero na secção de gaming, sendo que praticamente metade do espaço era dedicado a este. Mas talvez para outras pessoas tenha sido o melhor do evento. A variedade era pouca, com muito pouco manga e quase nenhuma BD. Os preços era um exagero (5€ por um porta chaves com 1 cm de comprimento?) e havia muito pouca variedade nos produtos oferecidos, sendo que quase tudo era relativo às séries da moda ou simplesmente objectos randómicos, como peluches de bichos fofos. O meu objectivo do dia era comprar um porta-chaves, uma caneca e uma capa para o telemóvel, mas nesta parte do evento nada do que eu queria foi encontrado.

Gostaria de deixar uma nota para os rapazes da banca dos jogos de tabuleiro, que foram mesmo muito simpáticos quando comprei um D20 roxo. Perguntaram-me porque queria o dado e eu expliquei que queria começar a jogar D&D mas que nunca tinha tido oportunidade de ir a um dos encontros organizados pelos grupos a que pertenço, pois calham sempre em dias que não posso. Imediatamente me deram uma série de nomes de grupos a quem me poderia juntar, o que foi realmente muito amigo da parte deles! :)

Passámos pelo workshop de perucas da convidada especial, que parecia estar a ser difícil de compreender por causa da barreira linguística.

Fomos assistir, seguidamente, à entrega dos prémios, mas não nos calhou nada. Parabéns aos vencedores! E depois de umas fotos no backstage e balneários, despedimo-nos para ir ver os

Blasted Mechanism!

Devo dizer-vos que já vi Blasted meia centena de vezes, em festas e festivais diversos, com pessoas e pessoas diversas. Assim, foi uma experiência algo engraçada vê-los num evento em que a populaça geral tem uma idade diminuta, relativamente à base de fãs desta banda. Foi um concerto cheio de energia, embora desse a entender que a banda estava a ter alguns problemas de gestão do espaço: o palco foi bastante bom para o cosplay, com um excelente auditório (embora um sistema de som um pouco deficiente), mas para uma banda que pula e rebola como os Blasted era manifestamente pequeno.

Mas o público estava em altas e a banda comunicou perfeitamente com as filas da frente. Passados instantes, todos nós dançávamos, se bem que eu e o Qui aproveitámos o concerto um pouco mais afastados na lateral, onde eu podia dar largas aos meus fantásticos moves dançóides, que me fazem parecer uma débil física (com uma afro azul)

Passado mais ou menos uma hora, achei por bem irmos ver os artistas (que são bons artistas), no andar superior. A escada parecia uma perspectiva aterrorizante, portanto usámos o elevador que era só para pessoas e não para nós (recordem que somos plantas). Lá em cima, um ambiente muito mais calmo e refrescante. Já lá tínhamos ido buscar uma cerveja, mas o preço não era nada apelativo. Enfim, visitámos as bancas e aí fiz eu a maioria das minhas compras que são as que se seguem:



  • Um porta-chaves com a Chii
  • Uma caneta com estrelinhas e duas pontas
  • Um D20 roxo
  • Um autocolante com aquela cena peluda
  • Um desconto de 15% no Horto do Campo Grande, onde poderei ir resgatar um dos meus familiares vegetais
Repare-se que na banca dos bonsais o rapaz nos explicou muita coisa sobre eles, o que mais nega a minha vontade de ter um, porque são criaturas emocionais que precisam de muitos cuidados.

Quanto ao resto das bancas, foi a parte mais interessante, porque havia muita coisa para ver. Achei que as das pontas ficaram muito renegadas, pois o público nunca tenderia a deslocar-se para lá. Havia também, curiosamente, alguma variedade de Zines. Estive quase para comprar uma com trajes portugueses (amei os desenhos!) mas já estava curta de dinheiros.

Mas falta a parte que mais interessa a todos vós, sobretudo aqueles que tiveram a candura de aceitar o meu forçado cartão! Aí vêem elas.... São as....

FOTOS!!! 

 Foto no banheiro, porque eu sou assim
 







 Fotos tiradas especialmente para o nosso Zé Gato ver :)
 










 Passei-me GRANDEMENTE quando vi este personagem, porque o amo de paixão e era um dos meus maridos e eu adoro e AAAAH
 

 Um concerto de algo que estava a dar na parte de cima


Um bonsai com 40 anos, mais velho que eu
 
 
Esta ficou no fim porque não queria fazer o upload, mas amei este fato e quero fazer um igual um dia!

 
E assim se conclui o meu relato! Essencialmente, tive um grupo genial com o qual me ri milhões e tive o Qui comigo, o que é sempre uma variedade, mas.... O evento não valia a pena o dinheiro do bilhete. Nem pelo convívio, porque a confusão era tanta que nem consegui falar decentemente com quem quer que fosse (Ana-san, desculpa ter-te perdido!). Espero que oiçam as críticas como sempre têm feito e que para o ano o Iberanime volte a ser o evento familiar e amigo que sempre nos habituou a ser!

Por agora, boa noite, que já se faz tarde!

 

Sem comentários:

Enviar um comentário