12.11.15

Hibike! Euphonium

Hibike! Euphonium
Ishihara Tatsuya - Kyoto Animation
Anime - 13 Episódios
2015
6 em 10

Mais uma vez o estúdio KyoAni volta a surpreender com um anime muito musical. Desta vez o tema são as bandas de metais nas escolas secundárias. E o instrumento principal é pouco conhecido... Pelo menos, eu não sei muito sobre ele. Trata-se de um eufonio (ou "tuba pequena", ou "bombardeiro"), um instrumento de sopro semelhante à tuba que serve como tenor dentro do ensemble.

Acompanhamos os pequenos desaires diários desta banda, curiosamente composta por um grande número de raparigas (quando é pouco comum as meninas se dedicarem a metais de sopro tão grandes como tubas, nem que seja por causa do peso). Logo ao início é estabelecido que o objectivo do ano é ir aos Nacionais de ensembles de sopro e, a partir daí, muitas coisas acontecem sob o jugo tirânico de um professor. São colocadas duas situações em oposição: as pessoas que querem simplesmente divertir-se e as pessoas que querem mesmo ganhar o direito de ir a concurso. Nesse aspecto, existem alguns conflitos que são pouco comuns em animes do género, mas são resolvidos sempre pela forma mais positiva e com a concórdia de todos, o que acaba por ser pouco realista. Assim, em termos de narrativa e de personagens, o anime acaba por falhar um pouco, pois mantém sempre um espírito de relativa alegria quando o mundo da música erudita é altamente competitivo. Não retrata esse aspecto convenientemente, apesar de o resultado final ser sempre relaxante e simpático, como é costume nos fatias-de-vida deste estúdio.

Comparativamente com outros animes produzidos por este, Euphonium aparenta estar um pouco aquém das expectativas. A paleta de cores, cheia de castanhos e dourados, pode tornar-se um pouco aborrecida, apensar de ser apropriada. Para além disso, os cenários - apesar de muito bem desenhados - não têm aqueles divertidos e pequenos detalhes que tanto me fascinam em outras destas produções. A animação dos instrumentos é detalhada e está feita com bastante exactidão, sem cair no erro de recorrer a meios digitais para as partes mais complicadas. Assim, é um anime bastante orgânico apesar de não ser um festim ocular.

Trata-se de um anime sobre música, pelo que esta deveria ter um papel muito importante. No entanto, fora o concerto final e um concerto com uma cover orquestral dos Yellow Magic Orchestra (demorei a reconhecer a música, mas adorei quando percebi qual era), existem muito poucos momentos musicais. A OP e EDs são pouco inspiradas e poderiam ter mais relação com os instrumentos em causa.

Apesar de tudo isto, fiquei com bastante vontade de ver a segunda season. No entanto, não seria o primeiro anime deste estúdio que eu recomendaria.

Sem comentários:

Enviar um comentário