5.3.15

Senhora Oráculo

Senhora Oráculo
Margaret Atwood
1976
Romance

Finalmente comecei a ler os livros que comprei na Feira do Livro de 2014. Tinha ouvido falar bastante desta autora, sobreutdo dentro do contexto dos fóruns do BookCrossing, e fiquei curiosa. Assim, na altura, aproveitei o desconto para experimentar o livro.

Este livro foca-se numa personagem, a narradora, que tem uma vida estranha e infeliz. Assolada pelo trauma de uma juventude de obesidade e obsessão pela comida, entrega-se de corpo e alma à mudança pessoal sempre que pode. No entanto, atormentada pelo horror e pela vergonha do seu passado (no que respeita ao corpo e às relações familiares) acaba por criar diversas personagens e uma teia de mentiras em que se esconde para poder manter-se nas suas relações actuais. No entanto, quando tantas mentiras e vidas imaginárias se começam a misturar e a degradar-se, esta personagem inventa uma forma de escapar, uma fuga também ela imaginária. É neste ponto que a conhecemos e é a partir disto que ela explica o que realmente se passou.

A escrita é bem humorada e bastante simples e directa. Passamos a conhecer Joan, esta personagem que se transforma, e acabamos por compreender que apesar de ela se apresentar aos outros personagens sempre como uma pessoa confiante (com base nos factos que ela inventou para o suportar) é uma pessoa com muitos medos interiores. Isto reflecte-se no seu imaginário, na sua paranóia e na sua escrita.

Ao longo do livro vão aparecendo excertos do romance de cordel que ela está a escrever (é a sua profissão secreta, digamos assim). Se ao início me pareceu muito desnecessário acompanhar esta história, à medida que a história avança e que o estado emocional de Joan se vai desmoronando estes excertos são muito importantes para realmente compreendermos o pavor que assola esta pessoa constantemente, o da fraca imagem que lhe foi impressa pela família, pelas primeiras companheiras de escola, por tudo o que a rodeava na infância.

Assim, o livro acaba por ser uma análise bastante interessante da personagem que, apesar de tudo, se poderia encaixar numa espécie de estereótipo (o da "mulher gorda". Aspas aspas aspas)

Fiquei bastante curiosa em relação à autora e gostaria de ler mais livros dela para saber se o estilo de escrita é sempre assim ou se é apenas a personagem que... É assim. Agora, vou fazê-lo circular. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário