8.3.15

Anisama

Anisama (2015)
Evento

Tive conhecimento deste evento por meios do fórum do AnimePortugal, onde uma das organizadoras participa frequentemente. Como não pude usar o meu cosplay novo no Photoshoot (estive doente, morrendo com febres), pensei em usá-lo aqui para experimentar as formas como se podia utilizar e mexer e todas essas coisas comuns a fatos de cosplay. E agora, no rescaldo, com umas dores nas pernas que nem me aguento em pé nem sentada nem deitada nem de forma nenhuma, escrevo um pouco sobre ele.

Infelizmente não consegui tirar uma única foto. Desde que a minha máquina se estragou, tenho apenas o telemóvel e, por alguma razão, não me senti confiante para tirar fotos com ele neste contexto. Desculpem... :(

Tudo começa pelas nove da manhã. Tinha pesquisado bastante sobre como ir ter ao evento, mas o interface metro-autocarro não me inspirava  muita confiança. Afinal, os autocarros normalmente não informam qual a paragem seguinte e tinha medo de me perder, carregada com tralhas diversas. Poderia ir de carro, mas se me perder de carro entro em pânico com mais facilidade do que se me perder a pé (na verdade, detesto conduzir). Assim, após várias sequências de pedidos, consegui convencer a minha mãe a levar-me lá. Evidentemente que nos perdemos mas minha mãe, com a confiança de muitos anos de condução, conseguiu encontrar o lugar.

Ao entrar, depara-se-me uma escadaria enorme sem iluminação. Aparentada com o terror que é dar um trambolhão por uma escadaria de pedra e partir a coluna, evitei esta escadaria, apenas saindo do evento quando estritamente necessário. Ao chegar, ninguém me sabe informar onde estão os vestiários, para deixar lá a minha mala. Então, começo a patinar por entre a multidão, até um voluntário reparar que trago uma maleta de grandes dimensões e me dirigir, precisamente, à moça do AnimePortugal (criatura de contornos semi-míticos, de nome Jessie Ann). Indica-me ela onde posso deixar a minha bagagem, um vestiário que aparenta ser uma transformação de uma sala de arrumações, mas que tá-se bem porque cabemos lá todos e tem um espelho grande e uma mesa e um banquinho. De resto, o espaço pareceu-me bem aproveitado e na área exterior havia arte urbana muito interessante. Foi pena a estrutura do edifício não ser muito segura (as escadas, o chão de tacos que gemia e essas coisas)

Tento discernir a anatomia do evento. Por enquanto, está tanta gente a cirandar de um lado para o outro que é difícil de compreender. Detecto uma sala de jogos e uma zona exterior, onde está um palco. Nesse palco, pessoas karalhokam. O palco é ao ar livre e é com um certo horror que percebo que é ali que vão ser os nossos skits. Questiono o horário em que tenho de estar toda preparada para participar. Uma e meia, dizem-me. Uma pena, penso eu. Não terei tempo para almoçar.

Começo encontrando pessoas diversas e estabelecendo laços de conversação. E, de repente, por um momento e por graça do espirito santo, ocorre-me uma tragédia....

Esqueci-me da peruca em casa!

Em pânico, ligo à minha mãe. Explico-lhe onde está a peruca e o que se passou: no dia anterior, quando preparei a minha bagagem, coloquei todas as coisas. Todas elas estavam arrumadas na cestinha dos cosplays em preparação (ainda não tinham saído de lá, na verdade). A peruca estava juntamente com as outras perucas dentro do armário. Portanto, ficou para trás! A minha mãe acedeu em fazer o favor de ma trazer. Para adiantar tempo, pois estava com medo de me atrasar para a chamada do concurso, decidi fazer logo a maquilhagem. Depois, esperei ansiosamente pela chamada da minha mãe em frente do palco.

Lá, a Ana-san estava a dar uma palestra sobre a cultura japonesa dos tempos modernos, exemplificando isso com vários estilos de moda utilizados nas grandes cidades. Achei que os exemplos dados estavam bastante desactualizados, mas depois falei disso à Ana-san, com a promessa de lhe enviar umas fotos mais modernas. Infelizmente, a Ana-san mal se ouvia e o ecrã mal se via. Eu estava mesmo na fila da frente mal conseguia perceber o que ela dizia... Aí está um ponto a melhorar.

Entretanto a minha peruca chegou e fui vestir-me. Dois saiotes, uma saia e um corpete depois, estava pronta para me apresentar à sociedade, qual debutante na sua primeira festa. Para o que costuma acontecer com os meus cosplays (ninguém os reconhecer), este fato foi um sucesso! Não foram fotos atrás de fotos, mas fiquei feliz por tanta gente o elogiar. A Ana-san tirou umas fotos que ficaram muito bem, que passo a citar:







Então, esperei. Esperei. Esperei. E nada do concurso começar. Assisti a uma demonstração de kendo, os senhores eram muito simpáticos. E nada. E esperei. Fomes. Muitas fomes. Uma multitude de fomes. Por um lado queria ir comer um crepe, tinha visto um a passar, mas por outro tinha medo de a coisa começar ou de sujar o meu fato todo branco. Comi um cupcake. Passado uma hora ou quês, perguntei às meninas das comidas se me vendiam uns morangos por 30 cêntimos (custavam 50). Disseram que sim, mas um cosplayer de Grell, que depois me veio a salvar outra vez, ofereceu-se para pagar os morangos. Obrigada! ;__;

Entretanto uma série de jovens com uma coluna gigante apoderaram-se do espaço do palco para dançarem, beatboxarem e cantarem e todas essas coisas. Nós, que esperávamos a nossa vez de entrar, não compreendíamos o que se passava. Após questionar a Jessie Ann, lá descobri que o concurso estava uma hora atrasado e que aquela brincadeira toda era afinal um teste de som, que estava com problemas de ordem técnica. De um lado para o outro, fiz amizade com duas miudinhas mui piriris que se encontravam com sua mãe a divertir-se no evento. Estavam fascinadas com as flores que eu levava e com a minha peruca e a minha saia e todas as coisas. Expliquei-lhes que era a princesa das alforrecas e depois tive de explicar o que era uma alforreca.



De qualquer forma, este foi sem dúvida o melhor momento dia, que passei com as minhas novas amiguinhas e fiquei a saber um pouco mais sobre o que vai na mente destas coisinhas pequenas e fofas. Prometi-lhes cortar umas flores do meu ramo para lhes dar, mas no final acabei por me esquecer e não lhas dei... Assim, peço à mãe das piriris que me diga qual o próximo evento a que vão, pois o prometido é devido e levar-lhes-ei umas flores ainda mais catitas nessa altura. :) Não prometo é estar vestida de princesa alforreca nessa altura... ;)

Mais tempo passa e a fome aperta. Para mais, surgiu a necessidade premente, constante e urgente de despejar oitenta e dois litros de xixi, que se começavam a acumular não só na bexiga como no cérebro. No entanto, não podia ir à casa de banho com os meus dois saiotes e saia perolada, pelo que aguentei estoicamente, como uma verdadeira heroína da causa dos xixis perdidos. Encontrei mais pessoas queridas e amigas, que me ajudaram a ultrapassar o desespero das necessidades básicas com a sua habilidade conversativa. :) E mais tempo esperei. Entretanto, voltou a aparecer o cosplayer de Grell e uma moça com maquilhagem de morte mexicana que me orientaram um pastel de nata que me soube pela vida dos outros. Obrigada! Vós sois uns amores ;__;

E, finalmente, começa o concurso! Primeiro, a Cátia e a Manon fizeram um skit muito giro sobre Fate/Stay séries. Eu realmente pensei que a Cátia tivesse ficado despida e magoada, porque foi mesmo muito realista! Depois, fomos nós. Eu estava em terceiro lugar para entrar.

Falarei melhor, mais tarde, sobre o meu skit (e sobre a construção do fato) no meu Cosplay Portfolio, mas essencialmente quis fazer uma apresentação simples, com uma música que gosto e que acho que tem muita relação com o personagem. Trata-se de uma cover em lounge da Material Girl, da Madonna, pelo senhor Richard Cheese. Coloco aqui para ouvirem :)


 

Apesar de tudo, cometi um erro no final. A música acaba numa série de "Materials" e até agora nunca consegui perceber quantos são. Quando ensaiei (ensaiei bastante) uma em cada cinco vezes enganei-me nos materials. E é claro que me enganei também no dia em que era suposto não me enganar. Mas não faz ma. :)

Quanto aos outros skits, houve alguns muito giros. Os meus preferidos foram os da Mystique de X-Men, que a moça faz ginástica e eu também gostava de fazer ginástica, o da Loki, que achei que estava muito expressivo e, é claro, o de Dragon Ball. Este último talvez tenha pecado por ser um pouco longo, mas eu vibrei durante todo ele! Aliás, fiquei estupefacta por o público não estar aos gritos e aplaudir cada coisa, como se se tratasse de um combate real, porque o skit tinha tanta graça que merecia realmente ter tido mais resposta.

Assim, partilhei o prémio (era um único prémio, infelizmente não havia primeiros, segundos e terceiros, o que eu acho que teria sido um pouquito mais equilibrado) com o Hércules e o Vegeta. Ganhámos um mini-cabaz de comidas japonesas, em que eu fiquei com os Pockys de leite e uns bolos que não sei o que são (o Vegeta depois deu-mos mais tarde). Decidi imediatamente que o namoradim, conhecido como Qui, iria comer os bolos misteriosos e eu comeria tudo o resto. :)


No momento em que me deram ordem de soltura, fui imediatamente trocar de roupa. Libertar o xixi que me atormentava a mente. Tirar a maquilhagem (as pestanas postiças já se tinham soltado). E, sobretudo... COMER. Com a máxima urgência, obtive um crepe maravilhoso, pedi o maior que tivessem, com tudo o que tivessem, tinha tanta fome, ia morrer se não comesse uma estrela-anã nesse momento exacto. Descobri que havia mais um lugar exterior, com sofás, que estava bem populado. Comi sozinha, certamente com um aspecto desesperado, sem falar com ninguém. Já lá vai o tempo em que eu me metia com toda a gente em todas as ocasiões, acho que estou a ficar mais tímida com a idade.

Descobri entretanto, através da Cátia, que ainda poderia ir ao workshop de cosplay. Tinha-me desinscrevido, pois calhava muito em cima da hora do concurso, mas com os atrasos ainda dava para ir. Na verdade, fica uma crítica, está para além da minha compreensão o porquê de, em muitos eventos, colocarem os workshops de cosplay em horas que não jogam com as dos concursos. Parece que quem vai os concursos não quer aprender. Mas, como aprendi na minha profissão, a formação contínua é da máxima importância! Por isso gosto de ir aos workshops. Apesar disto, acabei por não ir, pois sentia-me demasiado cansada para absorver qualquer tipo de informação...

Depois, explorei um pouco o espaço. Estava bem composto com bancas de artistas (que são bons artistas), mas apesar de algumas coisas me terem chamado a atenção - sobretudo umas capinhas de telemóvel, que me fazem falta - não me senti motivada a comprar nada. Escondido num cantinho estava essa nova coisa do Bubble Love, que servem bubble tea, que me senti tentada a experimentar. No entanto, sentia-me tão cansada que deixei para outra ocasião (certamente que terei mais oportunidades de provar o chá das bolhas)

Para finalizar, apanhei o autocarro e depois o metro, acompanhada pela mocita que estava vestida de Hawkgirl (e que agora estava vestida de si própria), conversando sobre skits e sobre como fazer comédia. Há muitas maneiras, mas é difícil, talvez um dia escreva sobre isso da arte de fazer teatros. :> Na mudança do interface autocarro-metro, obtivémos mais um mocito para nos acompanhar, e continuámos a conversa sobre stand-up comedy. Pelo meio disto, fui informada de que a Jessica Nigri vem à Comic-Con, o que ´é um dado que me deixa sem saber bem o que pensar... Logo se verá.

O resultado final deste evento foi bastante positivo, apesar dos magnânimes e pavorosos atrasos que me torturaram ao longo do dia. Testei o fato com sucesso, agora já sei como ele se movimenta e o que poderei fazer com ele no skit que estou a planear para o Anicomics. :) Conheci pessoas novas muito fofinhas (grandes e pequeninas) e reencontrei amigos queridos. Desta vez não abusei da djolan. E fiquei com muitas, muitas, muitas dores nas pernas. Na verdade, nem conseguia adormecer de tanto me doiam. Mas agora já estou melhor, apesar de ter cancelado os planos de hoje por ainda me encontrar exausta. Acho que tenho de me exercitar, isto não é normal na minha idade!

E com isto vos deixo! Peço desculpa por não haver fotos... Fiquem apenas com a música que, para mim, caracteriza perfeitamente o personagem do qual fiz cosplay, Kuranosuke de Kuragehime!



Talvez um dia faça um skit com isto. :)

Até à próxima e mantenham elevados os vossos níveis de felicidade! =D

Sem comentários:

Enviar um comentário