19.5.13

7os Encontros de Fado de Almada

7os Encontros de Fado de Almada
Concerto
Começo por dizer: se não formos nós a gostar de música Portuguesa ninguém vai gostar. Foi por isso que adorei que a sala de espectáculos do Fórum Romeu Correia, em Almada (terra que não é minha mas onde passo a vida), estivesse a rebentar pelas costuras. Eu gosto muito de música portuguesa de todos os géneros, mas fado é coisa que me deixa mais ou menos indiferente, apesar de ouvir muito. A verdade é que só fui a isto porque um amigo meu foi participar no concurso e me arranjou um convite, para eu ir fazer claque.

Estes Encontros de Fado consistem, portanto, num concurso para descobrir novos talentos do fado e num convidado que faz um pequeno concerto a seguir ao intervalo. Esta foi a primeira eliminatória, com 8 concorrentes, sendo que deles quatro foram escolhidos para ir à final. Vai haver outra eliminatória em breve, mas a essa acho que já não vou, porque não vou fazer claque a ninguém. O prémio final é cantarem num espectáculo das Noites do Fado algures em algum lado e o primeiro lugar vai gravar um single. O meu amigo não ficou apurado, logo não vai gravar um single.

A primeira parte teve a sua graça mas também teve os seus momentos de suicídio mental. Achei surreal que todas as vozes femininas fossem miúdas entre os 16 e os 18 anos, excepto uma senhora que ficou classificada. Elas diziam todas "ah isto é a minha vida", mas a maioria parecia que não tinha descoberto ainda a sua identidade. Depois, cantavam todas com a mesma voz, excepto a tal senhora que cantava com voz de karalhoke (ela própria disse que tinha começado a cantar o fado nessa situação). Dos senhores, havia um que também ficou classificado e que já tinha ficado três anos consecutivos, sem nunca ganhar. Esse era um grande intérprete. O senhor mais velho também tinha graça, depois havia outro que coitadinho. Esse teve a lata de pedir para cantar outra vez porque as guitarra estavam "dois tons acima" (ou abaixo) da primeira vez. Wat. As guitarras nem aparentaram mudar, ele cantou exactamente da mesma forma! Depois o meu amigo, que foi quem teve mais piada deles todos porque interagiu com o público e andava por lá a cirandar enquanto cantava a Mariquinhas. No segundo fado enganou-se, mas é a vidinha.

Mas a parte mais interessante (eu já estava cheia de dores de cabeça com tanto fado nos meus ouvidos, queria ir-me embora no intervalo mas não tinha para onde ir) foi o concerto seguinte. Era uma fadista que eu não conhecia (e o meu amigo, que esse sabe realmente de fados, também não) mas que fez um concerto muito giro: Carla Pires. A voz dela era bonita e o arranjo das guitarras estava diferente do habitual, além de que interpretou poemas diferentes. O meu preferido foi o do cacilheiro, identifiquei-me com ele. Não o encontro no tubo, por isso fica aqui outra música que também foi muito bonita:


Foi um espectáculo que demorou muito tempo, mas valeu a pena ter ficado até ao fim a aturar o chato do apresentador (sempre a dizer piadas sem graça nenhuma) para ouvir esta senhora. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário