18.3.16

Contos de cães e maus lobos

Contos de cães e maus lobos
Valter Hugo Mãe
2015
Contos

Quando vi este título para partilha no BookCrossing, fui logo a primeira a inscrever-me! Afinal era VHM + Cães + Lobos, que são tudo coisas que eu amo de paixão! <3 Li-o hoje, praticamente de uma assentada! Na verdade, acho que as pausas que fiz foram mais por obrigação, porque a minha vontade era lê-lo todo de seguida sem parar!

Uma pessoa lê bastante e a parte boa disso é que por vezes há livros que nos entram até à medula. Este foi um deles. Trata-se de um conjunto de contos que têm por tema, precisamente, a vivência de cães e maus lobos. Mas o que são eles? Aparecem os dois animais em quase todos os contos, mas não como personagem principal. Mais como um elemento paisagístico que, por sinal, também tem as suas próprias emoções e senciência. Estes são, então contos infantis que têm muito de adulto. Porque são contos para crianças vistos pelo olhar atento do adulto. Será que isto faz sentido? Precisarão de ler para o descobrir.

Desta vez não irei citar o meu conto preferido, porque a verdade é que amei todos com a mesma paixão. Todos os contos nos remetem para um imaginário fantasioso, mas cheio de elementos da realidade e da actualidade que permitem que o leitor sofra uma imersão completa em cada um dos universos. E o autor tece uma série de considerações belas, valiosas, preciosas, sobre alguns dos assuntos que poderiam atormentar uma criança curiosa pela vida.

É isso o que faz Valter Hugo Mãe neste livro: pega em nós, adultos, e leva-nos para um reino de criança que apenas começa a abrir os olhos e a descobrir a realidade que a rodeia, a descobrir o tormento que é crescer, a descobrir que nem sempre o mundo dos grandes corresponde ao imaginário inicial. No entanto, em cada conto ele renova-se e prova, uma e outra vez, que a solução para o tal mundo dos grandes é precisamente manter-se pequenino.

Foi um livro tão apaixonante que estou a considerar comprar uma cópia para mim, para que possa voltar ele uma e outra vez, uma e outra vez, uma e outra vez...

Sem comentários:

Enviar um comentário