26.7.14

Blame!

Blame!
Nihei Tsutomu
Manga - 66 Capítulos/10 Volumes
1998
9 em 10

Um manga curioso, para o qual vinha alimentando a curiosidade desde que vira o anime Special. Depois de muitas considerações, acabo por lhe dar uma nota quase perfeita. Pois é realmente um manga muito especial, que merece o seu estatuto de culto e que, em minha opinião, deve ser lido por todos. Por onde começar um comentário? É difícil, pois ainda agora estou digerindo tudo aquilo que li, mas tentarei.

Este é um universo tanto distópico como cyberpunk. Algo neste futuro longínquo correu extremamente mal. Este é o primeiro ponto espectacular do manga: o universo em que isto se passa. Os personagens percorrem cidades em vários níveis, com escadarias e túneis em que não se compreende o que está para cima e o que está para baixo, onde não se vê o céu nem a terra, verdadeiros labirintos, uma babel surrealista sem nexo e sem fim. Isto traz ao leitor um sentimento extremamente opressivo, ainda que muito calmo e contemplativo. Este manga quase não tem diálogo, sendo que a viagem por este mundo é feita num silêncio quase nunca interrompido: isto permite-nos aproveitar melhor o festim visual.

Efectivamente, a arte não podia ser melhor. É muito diferente do habitual, admitamos isso logo desde o início. Com um grande uso do negro, tanto temos cenários extremamente detalhados como momentos mais intimistas, rabiscos conceptuais de uma textura muito plástica. A vivacidade do ambiente é atemorizadora, criando-se uma expectativa em relação ao que estará no fim de cada escadaria, no fim de cada corredor, que normalmente se revela em quadros espectaculares, de uma beleza muito frágil e delicada. O autor deste manga, segundo consta, era um arquitecto que deixou tudo para escrever isto. A sua formação nota-se na exactidão de todas as proporções e no realismo dos edifícios e maquinaria que, apesar de não fazerem sentido, estão construídos de maneira muito próxima do real.

A história é altamente densa e muito dada a interpretações diversas. Tentei pensar um pouco sobre ela para poder fazer uma análise, mas tenho de ler mais sobre este manga porque realmente ainda não fui capaz de chegar a uma conclusão. A verdade é que cada um poderá pensar o que quiser, com todo o desenvolvimento e, sobretudo, com o final estranhamente inconclusivo. Na verdade, tudo é muito simples: Killy é um homem, supostamente humano, que procura pessoas com o gene da ligação à internet. Pelo caminho faz uma amiga, Cibo, e vai encontrando muita gente estranha, robótica, cyborg ou humana. Nenhum tem o que ele procura. Por todo o lado paira a ameaça dos safeguards, robots com a única missão de destruir os seres humanos. Por vezes encontram-se builders, robots que constroem as cidades e que, ao que parece, estão completamente descontrolados. Por vezes, há encontros com os chamados Silicon Creatures, que têm uma missão um pouco indefinida, mas que vai claramente contra o que Killy procura. É uma situação muito complexa, que se desenvolve de repente no último volume e que nos deixa a pensar.

No entanto, pareceu-me a mim que a história e os personagens existem mais em função do universo do que o contrário. No fundo, devemos ler este manga para aproveitar a viagem pelo estranho mundo de Blame!, mais do que outra coisa. Porque realmente é um passeio de suster a respiração.

Altamente recomendado, gostaria de saber as opiniões de todos sobre este manga . Talvez daqui a uns anos, quando estiver tudo assente na minha cabeça, possa formular uma análise e colocá-la aqui (se isto ainda existir) :)

Sem comentários:

Enviar um comentário