4.7.17

Okja

Okja
Bong Joon-Ho
2017
Filme
8 em 10

Há certos filmes que revolucionam. Revolucionam a indústria, revolucionam a crítica. Revolucionam-nos. Este é um destes casos.

Produzido pelo canal online Netflix, este filme é único pela sua distribuição: não passou pelas salas de cinema, excepto em excepções muito exclusivas, e foi libertado directamente na internet para que quem fosse assinante do canal o pudesse ver sem restrições. E, claro, quem não for assinante também o encontrará com toda a facilidade. Para além disso há uma escolha delicada dos participantes, havendo aqui uma mistura entre o americano e o coreano que não pode4 deixar de funcionar bem. Mas, com isto tudo, o filme poderia ser uma vulgar peça televisiva. Será?
 
Okja é um super-porco, supostamente perfeitamente natural, nascido miraculosamente numa quinta. É enviada para a Coreia do Sul, onde é criada por uma menina e o seu avô. Mas, dez anos depois, o projecto está concluído e agora será levada de volta para os EUA, para ser apresentada como a melhor super-porca e demonstrar o quão ecológica esta espécie é. E, sobretudo, o quão saborosa.
 
Esta é uma história irónica que nos apresenta a crua realidade da indústria da carne de uma maneira simpática o suficiente para poder ser vista por qualquer um sem nos impressionar grandemente. Mas eu conheço a indústria. E posso dizer-vos que é exactamente assim, o que torna o filme deveras assustador. Temos em oposição a grande empresa, liderada por uma Tilda absolutamente aterradora, e os revolucionários, uma Animal Liberation Front choninhas quue se afasta tanto da realidade que chega a ser cómica.
 
E, no final, podemos apenas concluir que não podemos lutar nunca contra o sistema, por mais que mostremos a realidade às pessoas.  Como diz a vilã... "Se for barato as pessoas compram".

E, assim, fica o sentimento agridoce de que este filme não mudará nada. Mas pelo menos tentou. Uma fábula inesquecível, perturbadora e triste. Talvez alguém sinta alguma coisa.



Sem comentários:

Enviar um comentário