13.7.15

Pretty Rhythm Aurora Dream

Pretty Rhythm Aurora Dream
Hishida Masakazu - Nomad
Anime - 51 Episódios
2011
4 em 10

Quando nos sentimos mal com a vida, um pouco deprimidos, tudo o mais, há sempre uma solução: ver um anime de meninas mágicas. Ainda por cima, meninas mágicas no gelo! Quem poderia pedir melhor? Infelizmente, Aurora Dream tinha tudo para correr mal. Tudo correu mal.

A premisa base é a de que uma menina destrambelhada ganha a oportunidade, e os materiais para, participar em espectáculos de ídolos, que depois se transformam numa espécie de competição, um género de música pop no gelo (ou o que quer que seja aquela superfície). Ela encontra amiguinhas com os mesmos objectivos, juntam-se para fazer uma super-banda-grupo-coise-pop e dançam muito em diversas situações. O culminar da magia acontece com os "saltos"#, em que a fantasia e a alegria acontecem numa explosão de frutas, chocolates ou bolas de futebol, é conforme. Vamos admitir isto com naturalidade: num anime deste género não é necessário que as coisas tenham muita lógica.

Mas há algo que eu não consigo suportar, que é a redução dos personagens a um conceito moral irrelevante e nada educativo. Isto é, estas meninas, estas personagens, são recortes da caixa dos cereais que insistem num código de valores completamente desadequado e afastado da realidade. O que acontece aqui é a redução da figura feminina às suas roupas (elas só conseguem fazer os espectáculos com as roupas adequadas) e a algo como "fofoca" ou "mexeriquice". Para um anime dirigido a meninas pequenas, isto não é o tipo de coisa que deveria transmitir. Estas personagens não motivam as crianças a procurar o sucesso através das suas próprias capacidades. Indicam-lhes que o caminho correcto é o do consumismo e o da quebra de valores morais até ao culminar de toda a felicidade feminina que é, como não podia deixar de ser, o "vestido de noiva". Reparemos que este anime foi produzido e concebido no "agora", na actualidade. Pensei que já tivéssemos ultrapassado este tipo de assunto. Mas pelos vistos o Japão continua a  procurar educar as suas meninas como pessoas descerebradas e introduzidas a murro numa sociedade consumista.

A arte é de um horror indescritível. Mas tentarei descrever de qualquer forma. Existem erros constantes, na utilização de cores, nas proporções, nos movimentos. Os designs das roupas das personagens são pavorosas, completamente deslocadas de qualquer tendência de moda que pudesse estar em voga na altura. Os momentos de dança, imensamente frequentes, estão animados digitalmente com utilização de cell shading. São repetitivos, plásticos, poliédricos, arcaicos. As sequências de animação dos saltos, que poderiam ter algum tipo de beleza, caem no ridículo com tal facilidade que é impossível levar este anime a sério, sendo fofinho ou não fofinho.

Musicalmente, podemos dizer que tem uma grande variedade. Mas quantidade não se equipara a qualidade. As músicas são um pop desinspirado, vulgar, com letras que não fazem sentido e que apenas apelam aos sentimentos que referi anteriormente. 

Quando li reviews deste anime diziam frequentemente "eu sou um homem com barba e gosto de coisas fofas, portanto gosto disto". Mas isto não é fofo. É simplesmente horrível.

Sem comentários:

Enviar um comentário