16.6.12

Ghost Hound

Ghost Hound
Nakamura Ryutaro - Production I.G.
Anime - 22 Episódios
2007
6 em 10

Bem, parece que Masamune Shirow teve algum envolvimento neste anime, fica o recado.

Mas voltemos ao nosso exemplo preciso. Temos Ghost Hound e temos anime de terror. Ghost Hound é suposto ser um deles, mas nem me assustou nem me perturbou. Por isso passo a concluir que Ghost Hound não é anime de terror (que eu nem nunca vi nenhum, além de que detesto filmes de terror) mas sim um anime sobre psiquiatria. Isso é muito engraçado e original. Mas depois aparecem os espíritos, aparecem os biooids (?) e aparece uma seita religiosa e o anime perde-se em tanto assunto para explorar. Acaba por não explorar grande coisa de nada, mas o que fica até tem o seu interesse. Não percebo o objectivo de ter tanta misturada e depois estar tudo interligado, mas cada elemento por si só é engraçado. Todos juntos nem por isso.

A arte é infeliz. Quase atroz. Umas florestas bonitas não é suficiente para compensar uma falta de animação e um design de personagens desleixado. Compreendo o uso de muitas cenas paradas, mas há demasiadas que são recorrentes, o que torna tudo mais lento, mais aborrecido e menos perturbador do que poderia ter sido. Achei ridículas as "formas de viagem astral" e não compreendi porque é que as fizeram assim, apenas tiram seriedade ao anime.

Agora, o que é digno de nota é a banda sonora. Não sei se devo chamar-lhe "banda sonora", porque a realidade é que não há música. Há efeitos. Estática radiofónica, coisas a cair, efeitos muitíssimo interessantes que tornam todas as situações mais angustiantes e, por isso, mais efectivas.

Um anime interessante, se bem que os tradutores não sabem que a hipófise se chama hipófise. Ao menos manteve-me a vê-lo até ao fim, se bem que a progressão muito lenta não ajudou em nada. Cada vez que o episódio chegava a meio eu preparava-me para desligar porque pensava que já tinha acabado...

Sem comentários:

Enviar um comentário