3.6.12

Fate/Zero

Fate/Zero
Aoki Ei - Aniplex
Anime - 13 Episódios
2011
 8 em 10

Depois de Fate/Stay Night eu não estava especialmente motivada para ver mais desta série Type-Moon. Depois de um primeiro episódio com 47 minutos, menos motivada fiquei. Mas eu sou o tipo de pessoa que dá segundas oportunidades. E terceiras e quartas e décimas segundas. Eu vejo tudo até ao fim. E mais uma vez posso provar que vale a pena.

Fate/Zero é superior à sua sequela cronológica em todos os aspectos. Iniciando pelo facto de não ser um harem.

Temos uma produção mais eficiente e cautelosa, com sequências de animação muito interessantes e cenas de acção vívidas e emocionantes. Há alguns momentos de CG pouco discreto, mas que se podem perdoar pelo efeito bem conseguido nas cenas em que existem. O design dos personagens melhorou e tornou-se mais apropriado, sendo que o único personagem que manteve o seu estilo Stay Night foi Saber (como personagem "principal" também não se podia mudar, ou os fãs explodiam o seu satélite pessoal)

O anime está escrito de forma extraordinária, quer pela linguagem quer pela trama. É uma história de guerra a um nível que envolve factores originais. Não falo já da magia, mas sim dos personagens que estão envolvidos nesta guerra. O anime não dá reviravoltas alucinantes, que por vezes tiram um pouco o sentido à história, mas a evolução dos acontecimentos acontece sempre de forma inesperada e inteligente. Os diálogos estão muito bem feitos e a perspectiva em que eles acontecem tornam-nos muito interessantes e nunca aborrecidos.

Os personagens, para mim, são o ponto alto. Temos dois grupos distintos, os Masters e os Servants. Todos têm um objectivo comum, o obter do Santo Graal, mas as razões que os movem são todas diferentes. Entre os Masters, temos uma caracterização inicial bastante sólida e acções que demonstram as suas personalidades, mas ainda não há uma definição patente. Ainda existe muito espaço para crescerem. São os Servants as estrelas da companhia. Cada um deles é um personagem histórico, um "herói". Desta vez o anime não nos pede que adivinhemos quem são, somos informados com antecedência. O design e as acções combinam perfeitamente com a informação que temos sobre estes heróis, que existiram verdadeiramente. O que os distingue verdadeiramente é que, apesar de serem lendas passadas e de estarem mortos, estes Servants ainda possuem sonhos e desejos para o futuro. Eles preferem o diálogo à luta, são civilizados, não são apenas instrumentos. A sua motivação não é a do ganhar por ganhar, é algo mais profundo. Tornar as armas em seres sensíveis é, na minha opinião, admirável.

Enquanto que a OP e a ED são um popzinho sem sal, a banda sonora dos episódios é muito intensa e apropriada. Dá mais fervor às cenas de acção e dá ambiente aos diálogos, de forma a nunca tornar a série aborrecida.

Sem dúvida um anime recomendado. Agora só me resta esperar que termine a segunda season para poder ver qual vai ser a conclusão. Espero sinceramente que consigam safar-se todos.

1 comentário:

  1. Também estou a adorar a série. Actualmente, considero esta e a Sakamichi no Apollon as melhores da temporada.

    (E para teres dado um 8 é porque é realmente boa! xD)

    ResponderEliminar