20.1.15

Pasolini

Pasolini
Abel Ferrara
Filme
2014
6 em 10

Todos os anos, pela altura do Natal, o Fonte Nova - centro comercial perto da minha casa - faz uma promoção envolvendo bilhetes de cinema. Um voucher para bilhetes duplos foi utilizado neste filme.

Pasolini foi escritor e cineasta italiano, activo nos anos do rescaldo pós-guerra e na corrente comunista que então lutava para se afirmar na estrutura política decorrente. O seu filme mais famoso chama-se "120 Dias de Sodoma" e eu nunca o vi nem o quero ver, pois aparenta ser centrado de roda de todo o tipo de actividade sexual. Neste filme assistimos aos últimos dias deste autor, em que ficamos a conhecer um pouco sobre a sua visão sobre a vida, em diversas entrevistas e cenas soltas, e sobre o filme que planeava fazer logo antes da sua morte, de contornos trágicos e misteriosos.

Enquanto que os diálogos das entrevistas são muito bem conseguidos e nos dão realmente a ver as diversas facetas deste autor, as cenas diversas da vida actual e passada estão centradas na sua homossexualidade, acabando por definir a pessoa apenas como móbil sexual em vez de ser humano e definido. O grafismo das cenas não choca, pois aparece desadequado e mal integrado com o resto do filme. No entanto, a interpretação dada àquele que teria sido o seu último filme é bastante engraçada e serve bem como uma espécie de homenagem. Talvez uma melhor produção nos efeitos especiais tivesse tido um efeito visual mais agradável, mas tal como está também fica bem divertido e foi talvez a minha parte preferida do filme.

Quanto ao momento da morte, a verdade é que não se sabe muito sobre o que realmente aconteceu. Assim, o filme foi obrigado a tomar uma certa liberdade na interpretação dos factos conhecidos, sendo que oferece uma nova perspectiva. Esta é bastante plausível, tendo em conta o que nos foi apresentado sobre Pasolini anteriormente, não deixando nunca de ser injusta e trágica.

Apesar das falhas o filme deixou-me extremamente curiosa em ler os escritos de Pasolini, pelo que procederei a arranjar alguns.

Sem comentários:

Enviar um comentário