24.8.15

Dragon Ball Z: Kami to Kami

Dragon Ball Z: Kami to Kami
Toriyama Akira - Toei Animation
Anime - Filme
2013
6 em 10

Para variar um pouco e aproveitar o tempíssimo livre que tive (e que belo descanso foi!) voltei aos filmes de anime por um bocadinho. 
 
A minha experiência com Dragon Ball é a mesma de qualquer miúdo dos 90s: o delírio, a emoção, a fantasia, parar as aulas para ver qualquer um episódio importante no bar da escola, viver e respirar um kamehame. Isto é, Dragon Ball tem por cima a lente da nostalgia. Olhando mesmo bem para a coisa, não é o melhor anime do mundo. Mas foi uma viagem muito emocionante na sua época. Assim tinha uma expectativa bastante baixa para este filme. Para começar, será que iria conseguir ver um filme sobre Dragon Ball sem a nostalgia em cima? Segundo, será que iria sobreviver às vozes japonesas? É que eu nunca vi o original.. Terceiro, será que ia ter paciência? A resposta é... Sim para todas! Porque este filme foi, surpreendentemente, um grande regresso ao passado e uma aventura muito engraçada de assistir.

O filme passa-se algures naquela fase de DBZ em que não se sabe muita coisa sobre o que aconteceu, o "gap" de 10 anos que se mantém um pouco oculto. Neste filme, há o acordar de um deus muito especial: Lord Bills. Trata-se de um deus que tem por função destruir planetas e que o faz frequentemente, sempre que se aborrece com alguma coisa. Ora, por acaso do destino este Lord Bills vai parar à festa de aniversário da Bulma! E todos têm de impedir que ele se aborreça, não vá destruir o planeta Terra! Quando isto acontece, desenvolve-se épica luta e, como é certo e sabido nos nossos shounens clássicos, tudo fica bem quando acaba bem.

A história é muito simples, quase básica, mas está recheada de pequenos momentos de humor que ligam muito bem com o contexto: aquilo que a nostalgia nos lembrava está aqui. Assim, é um filme muito divertido e fácil de ver e acompanhar, uma sessão de acção sem grande complexidade que serve o simples propósito de nos entreter bravamente.

Menos capazes serão as cenas de acção propriamente ditas. Estão animadas de forma excelente, isso é verdade, com um fantástico uso de perspectivas e uma paleta de cores suave, com cenários bastante cativantes, de céus cheios de nuvens ao espaço sideral. Mas o simples facto de o filme viver para que as lutas decorram em vez de ser ao contrário, isto é, estas existirem para complementar algum tipo de narrativa, torna tudo um pouco menos saboroso e deixa muito a desejar sobre os nossos personagens. Estes não sofrem qualquer tipo de desenvolvimento exploratório, apesar de - sendo que os conhecemos tão bem - não existir grande necessidade para isso.

Musicalmente acontece a mesma coisa. Temos uma banda sonora pouco completa até aos momentos de acção, em que tudo é investido em épicos instrumentais e numa canção de pop-rock típica que está lá com a intenção de fazer o nosso coração bater mais forte. Mas como eu não tenho coração, tal não funcionou na minha pessoa. A música final é um novo take na abertura do shalala que conhecíamos do antigamente (se bem que Dragon Ball ZZZ teria ficado melhor, como qualquer bom português terá de admitir)

Em conclusão, posso dizer que foi um filme com o qual me diverti imenso e que me manteve ligada a ele durante toda a sua duração. No entanto, objectivamente, não se trata de uma boa obra em termos individuais, tratando-se mais de um espécie de doce, um bónus para fãs. Assim, recomendo-o para quem ainda ama Dragon Ball. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário