23.8.15

Gankutsuou

Gankutsuou
Maeda Mahiro - Gonzo
Anime - 24 Episódios
2004
7 em 10
 
Já terminei o anime no início da semana, mas o tempo anda tão escasso que só agora tenho tempo para falar um pouco sobre ele. De entre a lista de recomendados do meu clube, apenas este me faltava ver. Como sempre, estas pessoas dão excelentes recomendações! :)
 
Este anime é uma interpretação livre do romance de Alexandre Dumas, "O Conde de Monte Cristo". Infelizmente, já faz muitos anos que li o livro e, portanto, recordo muito pouco sobre ele. Assim, o meu comentário será sobre o anime em si, não enquanto adaptação mas enquanto obra singular.

Tudo começa quando um jovem nobre conhece um misterioso conde, o Conde de Monte Cristo. A narrativa processa-se enquanto o conde conhece todas as pessoas envolvidas na vida deste jovem e procede a destruir as suas vidas, aparentemente sem razão. Mas tudo é revelado no final. Trata-se de um processo complexo e muito misterioso, que nos cativa imediatamente. Isto não seria possível sem um conjunto de personagens muito interessante, embora por vezes um pouco inutilizado dentro do contexto de evolução da história. As motivações do Conde de Monte Cristo são o mote principal para a evolução, permitindo-nos conhecer mais sobre o passado de todas as personagens, estando tudo interligado de forma a permitir um futuro brilhante para os que vêm depois.

O foco principal do anime é, sem dúvida, a arte. Trata-se de um dos exemplos mais flagrantes de utilização de cores e padrões em grande escala, com formas que se movimentam e uma escolha estilística complexa. O resultado é algo de espectacular, uma interpretação futurística que mantém sempre um toque clássico. Nesse aspecto, é um anime único.

Musicalmente, também nos mantemos nesta linha clássica. Com OP e ED calmas mas originais, que têm toda a relação com o tratado no anime, temos também outras músicas dentro da banda sonora que se aplicam perfeitamente aos momentos, trazendo cada vez mais intensidade.

Trata-se de um anime diferente e muito original. Vale, certamente, a pena ver.

Sem comentários:

Enviar um comentário