2.5.15

Habibi

Habibi
Craig Thompson
2011
Banda Desenhada

Livro que me foi emprestado pela Ana-san no Anicomics e que li de uma assentada enquanto esperava que aparecesse alguma urgência (não apareceu)

Habibi é uma fantasia árabe, uma espécie de interpretação das mil e uma noites num ambiente melancólico e surreal. Conta a história de duas crianças que, confrontadas com um futuro de escravatura e horror, fogem para o deserto. Aí, desenvolvem uma relação de mãe-filho, que também podia ser de irmão-irmã ou mesmo de homem-mulher, conforme a evolução da história e das personagens.

As personagens sofrem muito ao longo da narrativa, em repetidos abusos emocionais e sexuais, de forma a perderem toda a esperança. Isto apenas traz mais força ao final e ao triunfo do laço que os liga, mas por vezes senti um exagero na violência relatada, como se o factor de choque fosse mais importante do que o elemento narrativo.

A arte é muito bela e extremamente detalhada, havendo sobretudo ênfase no momento em que se contam "histórias". Estas histórias são a parte mais interessante do livro, pois - com um especial uso da palavra e do alfabeto árabe (com todas as suas significâncias) - trazem uma moral religiosa e a conclusão evidente de que todos somos iguais, todos viemos do mesmo lugar. No fundo, a moral do livro é uma mensagem contra o racismo e contra a intolerância religiosa, embora outras pessoas a possam ter como apropriação cultural e falta de pesquisa. Nesse aspecto, o livro pode falhar, pois as pessoas "árabes" (note-se que este é um universo fantástico!) muitas vezes vitimizam os nossos personagens de formas muito agressivas, sendo que é muito difícil encontrar pessoas realmente boas. No entanto, elas aparecem! E isso demonstra todo o objectivo do livro.

Existem muitos símbolos espalhados ao longo das vinhetas e páginas, nem todos imediatamente compreensíveis, sobretudo se não se tiver um conhecimento mais alargado sobre os mitos culturais muçulmanos. Neste aspecto, o autor revela uma capacidade de pesquisa infalível. O detalhe dado a estes elementos é a parte mais agradável da leitura.

Assim, Habibi aparece como um marco no universo da Graphic Novel: uma história estranha, triste, mas com uma carga emocional que apenas revela os verdadeiros aspectos da humanidade. E, em conclusão, aquilo em que eu sempre acreditei: que a humanidade é inerentemente boa.

Sem comentários:

Enviar um comentário