18.8.14

O Sol da Caparica

O Sol da Caparica
Festival de Música

Este ano não há férias para ninguém. Bem, pelo menos para mim não há. Aliemos isso à falta de nomes interessantes nos festivais de música por aí. Queremos ir a um festival de música, ver uns concertos, beber umas jolas, comer umas scenas... Mas das duas uma: ou as bandas não têm interesse ou...  Já vimos as bandas. Se calhar até mais do que uma vez.

Eis então que surge uma alternativa que aparenta ser bem interessante. Neste novo festival, aposta-se na música portuguesa. Também já vimos quase tudo, se calhar mais do que uma vez. Mas temos a confirmação de que é sempre divertido. Para mais, o local: Costa da Caparica. Fica mesmo ao lado de Lisboa, mesmo ao lado de Almada, em quinze minutos estamos em casa. Junte-se outro factor importantíssimo: o preço. 35€ pelo passe, 15€ a diária... Mais um desconto a quem é de Almada e compre o bilhete no posto de turismo. Está feito, é a este festival que vamos!

Fui apenas a um dia, quinta feira, que era precisamente o dia que tinha as coisas que eu queria ver. Comecemos por falar em alguns aspectos gerais, para além da música. O Espaço tem todo o potencial de ser muito bom. Está-se à larga, tem muita relva, em todo o lado se ouvia música. Havia três palcos: o principal, o da Blitz (que era tão grande como o principal) e um de cinema. Neste último não se estava nada bem, apesar de ser muito interessante. Passaram curtas-metragens de animação vindas directamente da Monstra, mas estava tanto frio nessa noite que era muito desagradável estar ali. Não estava lá quase ninguém, parecia mesmo o cantinho dos refundidos onde os refundidos vão dar no cavalo... Atente-se também no piso. Era areia. Se ao início estava tudo bem, mais para o fim já não me aguentava em nenhuma posição, necessitando urgentemente de me colocar em posição horizontal. Frio e dores nos músculos, fiquei podre para o dia seguinte. Se tivesse ficado mesmo doente, seria uma desgraça (estou aqui sozinha no gabinete durante esta semana inteira...)

E agora, música!

Chegámos mesmo no finzinho do concerto da Márcia, que nada de especial tinha, pelo que fomos directamente para o palco principal. 

Dead Combo

Dueto de guitarras e bateria, qualquer coisa como um... Fado Rockabilly. Desde que descobri esta banda que os venho apreciando muito. As músicas são extremamente expressivas e falam por elas próprias, sem ter necessidade de letra ou voz para compreendermos aquilo que nos querem dizer. Agora que os vi ao vivo, fiquei fascinada. Isto é gente que gosta mesmo, mesmo, mesmo de tocar guitarra. A concentração aliada à felicidade de tocar um instrumento que se ama, foi muito bom ter visto isto. 

As figuras em palco, juntamente com todo o cenário, deram um aspecto bastante intimista à coisa - apesar de estar tanta gente a ver o concerto e ainda ser de dia. Será para repetir, quiçá da próxima vez dentro de um espaço fechado.

GNR

Gosto desta gente, sobretudo das coisas mais antigas, porque se estão a cagar. Fazem simplesmente o que lhes apetece e o que lhes apetece é completamente errático e aleatório. Portanto, queria ver isto. Mas por alguma razão toda a gente que estava comigo se convenceu que eles iam tocar a seguir, portanto foi decidido (comigo dizendo muito baixinho "mas é agora ;__;" ) que se ia jantar. Perdemos o concerto quase todo e o restinho que vimos foi a comprar umas jolans.

Mas falemos da comida. Havia muita variedade, desde pizzas a bifanas e farturas e todas essas coisas de festivais. Foi decidido que ficaríamos na barraquinha do sushi (sim, também havia) que era a que tinha menos fila. O ERRO. Para pagar até era rápido. Pré-pagamento. Mas e para receber a comida? Uma meia hora pelo menos ficámos à espera que fatiassem o salmão, o partissem em pedacinhos, o pusessem em forma de hambúrguer e o grelhassem, porquê, porque é que eles não trouxeram as coisas feitas de casa??? Para ser mais fresco? É um festival, não um restaurante michelin! Eu estava tão reclamona que ainda foram mal-criados e pediram para ver o meu comprovativo de pagamento, quando não o pediram a mais ninguém! Como se eu tivesse passado à frente das pessoas! Mas, convenhamos, a porcaria do hambúrguer de salmão era positivamente deliciosa.

João Pedro Pais

Dado que não apetece a ninguém participar num suicídio auditivo colectivo, vamos ver os filmes e apanhar um pouco de vento.

Gabriel O Pensador

Finalmente! Foi isto o que eu vim ver!

A minha adolescência foi passada a ouvir, repetidamente, os mesmos álbuns, que era o que havia em CD, num tempo em que sacar um som da net era uma tortura. O "Tás a Ver" do Gabriel era um deles. Posso dizer com segurança que sei todas as músicas desse álbum de trás para a frente e de frente para trás. Qual não foi a minha felicidade quando ele tocou quase todas!

Desde o próprio "Tás a Ver", que podia ter beneficiado de uma voz feminina como no original (e que eu cantei lá do fundo, todinha, fiquei tão contente! =D ), passando pelo "Filho da Puta", pelo "Astronauta"... Até tocou a Festa da Música, que é uma música que pouca gente por aqui percebe pelo excesso de referências ao Brasil! Todo o concerto foi mais que boa onda, com muitas piadas, muitas alegrias, muitas felicidades (o baixista ultrapassou o cancro!), até umas rimas em freestyle falando sobre a lua e sobre a água gelada das Caparicas.

Realmente gosto muito desta personagem, parece ser um freakalhóide do surf com quem se poderia ter uma conversa civilizada. E que fala de coisas muito reais e sempre actuais.

O concerto demorou um bocado, podíamos ver gente a fazer-lhe sinalefas para acabar cada vez que a câmara passava para o lado do palco. Mas eu adorei, porque tocaram quase todas as minhas músicas preferidas e pude cantá-las todas e dançar o groove. :)

Buraka Som Sistema

Por esta altura as minhas costas já estavam a dar de si. Mexi-me demais com o Pensador, andei demais em cima da areia, já não conseguia estar em posição nenhuma. Esforcei-me, isso sim. As dores musculares ficam disfarçadas quando uma pessoa se mexe. Então dancei!

E todos sabemos que com Buraka se dança e se dança a sério! Têm uma rapariga nova a cantar. Esta também dança, é toda magrinha e energética. E isso inspira a dançar também. Não conheço muitos sons deles, mas todos os que sei gosto imenso. Confesso que até gostava de fazer uns sukitos de cosupure com sons deles, haha.

Nota para os cumprimentos iniciais. Monte da Caparica, yeee. Charneca, yeee. Pica-pau amarelo, *silêncio*. Note-se que, ao contrário do que seria de esperar, não havia mitra maluca quase nenhuma. Em termos de segurança estava muy bueno.

Mas enfim, passado pouco tempo cedi às dores que me consumiam e sentei-me no meio das pernas das pessoas à espera de levar um pontapé na cabeça a qualquer momento. Bateu a uma e meia e fomos embora, pelo que não conseguimos descobrir o que era o artista seguinte, um tal de DJ Branko. Contaram-nos que era música africana para dançar e dançar mesmo, mas ficámos sem saber, com exactidão, o que era exactamente.


No geral, não há fotos nem nada. Havia muito surf, que ignorámos. A comida era boa. A cerveja estava a um preço normal de festival, com a sorte de ser Sagres e não ser nenhuma cerveja bizarra. A relva era boa. A areia era má. Gostei dos concertos. Talvez para o ano deva voltar. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário