5.7.16

Lord Jim

Lord Jim
Joseph Conrad
1900
Romance

Este livro apareceu num tópico do BookCrossing, numa lista de leitura recomendada para "quem deseja tornar-se uma pessoa melhor". Assim, quando o vi na Feira do Livro, decidi comprá-lo para poder fazer um Ring. :) No entanto, começo a arrepender-me, porque foi muito caro para o estado em que estava (a capa toda rasgada, que ainda tenho de fita-colar) e porque não correspondeu em nada à expectativa criada pela tal lista.

Para começar, encontramos um personagem que já conhecia de outra leitura: Marlow. Esta pessoa está a contar a um grupo de marinheiros a história de Jim. E a história de Jim começa num barco. Ora, eu não aprecio de todo histórias náuticas. Isto porque não percebo nada de barcos, não sei sequer qual é a proa e qual é a popa. Por isso, nunca consigo visualizar o que eles estão a fazer nos barcos. Este momento inicial prolonga-se por mais de metade da narrativa e muito pouco é revelado sobre o personagem de Jim. Apenas sabemos que ele tem uma coragem infinita, não tem medo de nada, mas apesar de tudo vacilou quando imaginou uma coisa e fugiu. Agora, tem medo que o achem cobarde.

Até aqui tudo bem, pode ser que eu aprenda a ser uma pessoa melhor quando Jim se instalar em terra. Jim instala-se numa aldeia indígena e torna-se uma espécie de líder não oficial desta. Mas continua sem haver nenhuma referência à fraternidade, amizade e felicidade que a lista nos propunha. Depois, corre tudo mal e acaba-se a história de Jim.

Enfim, é uma história longa contada por um personagem sem muito que fazer (e que gosta de contar histórias), em tudo semelhante ao já referido "Coração das Trevas". Acaba por tornar-se maçuda, repetitiva... Afinal, todas as pessoas que encontram Jim parecem extremamente surpresas pela sua candura, inocência e coragem imensa. Mas o personagem acaba por se reduzir a estes elementos e não me consegui conectar com ele.

Apesar de tudo, os meus amigos BookCrossianos poderão gostar deste livro. Assim, farei um ring para eles. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário