26.3.13

Amnesia

Amnesia
Ohashi Oshimitsu - Brains Base
Anime - 12 Episódios
2013
4 em 10

E o primeiro anime da season de Inverno de 2013 é possivelmente o mais deprimentemente deprimente de que há memória desde que comecei a acompanhar seasons (que foi no Outono, por isso não era muito difícil).

Isto é sobre uma gaja atrasada mental que cada vez que lhe dão um encontrão vai para um universo paralelo. A única diferença entre os universos paralelos é o gajo com quem ela anda. Então a badalhoca anda de gajo em gajo durante todos os episódios (porque são uma data deles) e no fim o mistério afinal é culpa do único que não apareceu. Ah sim, e ela tem uma fadinha (um fado) chamado Orion, que também é meio atrasadinho, coitadinho.

Enfim, história pouco temos e personagens ainda menos. A única coisa que os distingue uns dos outros é a cor da roupa e o cabelo, porque de resto foram todos recortados da mesma resma de papel cavalinho. E estes designs, alguém é capaz de me explicar o que se passou na cabeça desta gente? É que eu não quero fumar o que eles fumaram, não me quero tripar de maneira assim tão estúpida! Parece que foram desenhados por uma fã americana de J-rock que pensa que numa banda de visual-kei cada um tem de ter a sua cor. Uma coisa eu vos garanto: não há banda de visual-kei que tenha tão mau gosto para se vestir.

Música? A única coisa gira era o turuturu a meio do episódio. A dizer o intervalo. Acho que o intervalo devia ser a melhor parte desta série.

E arte? Isto foi feito a partir de um jogo para meninas e parece mesmo um jogo. Porque de animação temos pouco ou nada. Está toda a gente parada. As cores são horríveis, os olhos não fazem sentido, o cabelo em degradé não funciona nem nunca funcionará fora do ecrã de um jogo manhoso para gajas sem mais nada que fazer.

Um anime horrível. Desesperante porque a "heroína" nunca morria, apesar de tantas oportunidades que tiveram para a matar. Uma perda de tempo e um desperdício de recursos que podiam ter sido usados para me comprar um palacete no Príncipe Real.

Sem comentários:

Enviar um comentário