13.5.14

Mas é Bonito

Mas é Bonito
Geoff Dyer
1991
Histórias Curtas

Passava eu numa livraria (vou com o meu pai todas as semanas, por causa do seu vício bibliómano) quando vi esta capa. E gostei. Peguei nele noutra visita à livraria. Sobre jazz. Eu sou a primeira pessoa a admitir que não percebo absolutamente nada sobre jazz. Ouvi muito pouco. A minha playlist de 90 gigas de música não tem um único album de jazz. Mas aquele ser conhecido como nhó aprecia bastante. Então pensei que um livro sobre jazz seria uma boa forma de me iniciar no género. Assim, quando me vi no Porto sem perspectiva de leitura durante todo percurso do comboio, fui a uma Bertrand comprá-lo (gosto de comprar na Bertrand porque tenho cartão de cliente que me dá uns descontos muito simpáticos)

Devo dizer que adorei o livro e fiquei fascinada pelo género musical. No final existe uma discografia, que usarei para me orientar nos primeiros passos dentro do género.

O livro é composto por oito histórias curtas sobre oito artistas (músicos) que marcaram de algum modo a sua época. Estas histórias são fruto da imaginação do autor baseado no que ele conhece ou conheceu dos músicos e de fotografias da época. Ele refere, tanto no prefácio como no posfácio, a importância das fotografias como registo da criação. É muito interessante ver como são trágicas todas as histórias. Conforme explicado posteriormente, este tipo de música nasceu de uma criatividade muito motivada pelos excessos. Excesso de álcool, de comida, de droga, de violência. É tanto triste como belo ler estas histórias do apogeu e queda de artistas que tinham demasiado para dar, que acabaram por fechar as portas à criação por não conseguirem aguentar com ela.

Cada história é tocante de certo modo, remexendo no íntimo dos músicos e revelando-os como pessoas, tanto geniais como frágeis. O detalhe da perspectiva, a forma como cada um deles repara nas pequenas coisas da vida diária, a forma como cada um deles lida com a sua vida, é extremamente belo e muito delicado. Cada história é uma constatação da fragilidade humana e de como a qualquer momento a nossa vida pode ser destruída por uma má opção, tantas vezes motivada por traços da nossa própria personalidade.

Nota-se que foi escrito com muito carinho e respeito, o que é sem dúvida admirável. Este livro pode ser muitas coisas mas é, sobretudo, bonito.

Recomendo-o a todos os amantes de música e, agora, vou começar a fazer a minha pasta de jazz. Próximos cosplays serão feitos com essa banda sonora. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário