23.2.13

Hoje não há espectáculo

Hoje não há espectáculo
Variedades
E de repente, domingo que passou, estou eu a ir para Almada sem saber muito bem porquê. Só lá chegada é que soube realmente. Os meus amigos vieram ter comigo à rua porque, citando "está uma gaja nua a gritar no palco" e quase que não vimos o resto. Mas, tendo visto, fica aqui um breve comentário.

Começo por citar o que vem na página do evento no Facebook, que define mais ou menos este pequeno espectáculo de variedades a que assistimos:

O programa da troika conduz a economia ao desastre e o país à ruína, a política cultural que agora ainda se agrava ameaça a catástrofe num sector já em profunda crise: com a asfixia financeira, com a inteira demissão do Estado em relação aos objectivos de desenvolvimento e democratização de que a Constituição o incumbe. O tempo de pôr fim a este rumo de desastre é o tempo de hoje. Tempo de protesto e de recusa. Tempo de mobilização de toda a inteligência, de toda a criatividade, de toda a liberdade, de toda a cólera contra uma política que chama “austeridade” à imposição de um brutal retrocesso histórico em todas as áreas da vida social. Defender a Cultura é uma das mais inadiáveis formas de fazer ouvir todas as vozes acima do medíocre ruído dos “mercados”. Manifestamo-nos EM DEFESA DA CULTURA. E agiremos em conformidade.
Assim nos foi apresentado um pequeno espectáculo que intercalava músicas de Carlos Paredes tocadas em cravo e récitas de poesia. Pois que não gostei. Admito que a minha sensibilidade para a política que envolve a cultura seja bastante baixa, mas eu vejo o que vejo e o que vi não gostei.

As músicas em cravo foram uma dor. Se em alguns momentos ficavam especiais e muito bonitas, em outros a dissonância era de tal modo extrema que estragava a música original. Além de que a intérprete tratava muito mal o seu instrumento, dando-lhe porradas que me magoavam por afinidade. Um cravo é um cravo, por mais força que usemos para lhe bater ele nunca vai soar mais alto.

Os poemas... Eu não sou grande apreciadora de récitas porque normalmente não percebo nada dos poemas que estão a ser ditos. Foi o caso. Fez-me impressão um dos senhores estar sempre de mão no bolso, fez-me impressão pararem de recitar para mudar de página (custava ter imprimido tudo na mesma página?), fez-me impressão um dos senhores, o selector dos poemas, ter escolhido um poema da sua autoria.

Este sentimento parece ter sido partilhado por pelo menos três senhoras velhotas que estavam claramente revoltadas. Mas acho que era por causa da gaja nua.

Sem comentários:

Enviar um comentário