14.8.11

Terna é a Noite

Terna é a Noite
F. Scott Fitzgerald
Romance
1934

 Esta interessante nova colecção do Público apresenta-nos autores que, não tendo recebido o Prémio Nobel, talvez o tivessem merecido, por todo o seu trabalho. Há várias razões para estes autores não terem recebido o Nobel, desde serem bêbados inveterados a serem demasiado trágicos ou, nas suas obras, colocarem um ênfase demasiado profundo no acaso e não no valor humano.

 Por isso fui, felicíssima, ler esta obra do autor de O Grande Gatsby (livro que, por sinal, eu ainda não li). Depois de o terminar, durante um dia de praia, só tenho a dizer... Talvez ele não tenha recebido o Nobel porque não o merecia.

 Este livro passado no apogeu cultural do pós-guerra mundial trata da vida de Dick Diver e da sua relação com Nicole, sua esposa. Ele é um médico psiquiatra, ela foi sua paciente, e após o seu casamento ele sofre um processo de degeneração em que deixa o emprego e se acopla ao álcool, passando a depender cada vez mais, sob todos os aspectos, da sua esposa (que é rica, muito rica). Ele tenta libertar-se da sua mulher, inspirado por um caso com uma jovem actriz Americana - Rosemary - que, infantil, vê nele um ídolo do amor.

 Parece bem, não parece? Mas não está. Todo o livro está escrito como se todos estes dados fossem vulgares e isso torna a história completamente irrelevante. Existe uma miríade de outros personagens, mas eles não interessam a ninguém. Também existe uma miríade de histórias paralelas, que ainda interessam menos. É um livro pouco focado, sem objectivo. Não há uma boa caracterização da época e da sociedade rica em que tudo se passa e é muito difícil de visualizar as situações.

 Os personagens, vulgares, estão mal caracterizados. Há um excesso de acções que não validam as suas personalidades e as relações entre eles, motivo principal da obra, são corriqueiras e sem qualquer tipo de intensidade.

 A escrita é boa, mas falhando nestes dois aspectos principais empalidece e chega a parecer apressada.

 Um libvo desapontante. Mas ainda vou ler o Grande Gatsby quando tiver oportunidade, porque deve ser bem melhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário