4.6.15

Barakamon

Barakamon
Tachibana Masaki - VAP
Anime - 12 Episódios
2014
6 em 10

Seguimos para outro fatia de vida, desta vez sugerido pelo meu clube.

Conta a história de um jovem que se dedica a concursos de caligrafia, fazendo disso a sua profissão (como se chama? Calígrafo?) que, após uma atitude incorrecta para com um superior, se refugia numa aldeia piscatória. Lá, faz novos amigos e aprende a viver em sociedade. Esses novos amigos são um conjunto de crianças e jovens muito animado, que está sempre pronto a fazer algum tipo de asneira. O resultado é bastante engraçado, por vezes, mas - no geral - o anime tem algumas falhas que o tornam mediano.

Como sabemos, um anime fatia de vida - para funcionar - tem de basear a sua força no desenvolvimento correcto, coerente e forte dos seus personagens. Infelizmente, aqui isto não acontece. Os personagens secundários não contribuem em nada para o desenvolvimento do personagem principal e aparentam estar ali apenas para criar momentos de comédia que, apesar de bem conseguidos muitas vezes, não são o suficiente para tornar Barakamon num anime exemplar. Já o personagem principal, esse, tem muito a aprender e a absorver das pessoas que o rodeiam. Existe alguma evolução na sua capacidade de lidar com as outras pessoas, forçada essencialmente pelas situações em que se coloca pela sua própria inabilidade. Muitas vezes, são situações pouco realistas e demasiado exageradas para que se levem a sério como mais do que um gag cómico. Por outro lado, o jovem refugiou-se nesta ilha isolada para poder desenvolver a sua caligrafia. Isto acontece, mas não existe na narrativa qualquer referência à evolução dos seus talentos. Isto é, em alguns episódios ele faz um trabalho aceitável pelos parâmetros de quem nada sabe sobre caligrafia; logo a seguir, faz obras exemplares e reconhecidas pelos seus pares. Neste aspecto, gostaria que tivesse sido dado mais ênfase à sua profissão e de forma mais gradual.

Temos uma arte que seria muito bonita se não estivéssemos em 2014. Tendo em conta o ano da produção, não tem nada de espectacular: os brilhos, a fluidez, as cores, isso é o parâmetro normal do "agora". Existem algumas cenas que procuram mostrar ao espectador a beleza do cenário mas, infelizmente, acabam por perder a intensidade devido à normalidade da arte.

Musicalmente, temos OP e ED que, animadas, poderiam ter mais a ver com a série que retratam. No parênquima, muitas músicas leves e engraçadas para nos dar um sentimento de calma, mas que não se distinguem de outros animes do género.

Assim, é só mais um fatia de vida e, tendo em conta a saturação do género, dentro de uns anos ninguém se recordará dele.

Sem comentários:

Enviar um comentário