29.6.11

Ai no Kusabi 2 - Destiny

Ai no Kusabi Volume 2 - Destiny
Rieko Yoshinara
Light Novel
1986

 Esqueci-me de dizer que não classifico livros, faz-me confusão. :3

 Este é o segundo volume da série Ai no Kusabi, O Limite do Amor, mítica série dos primórdios do BL, composta por Rieko Yoshinara. Num futuro longínquo, num planeta perdido no espaço, onde o número de homens é muito superior ao de mulheres, a sociedade encontra-se dividida por castas sociais. Em Ai no Kusabi seguimos a relação entre dois membros de castas diferentes, Riki e Iason.

 Neste segundo volume, voltei a ficar surpreendida - mas não tanto como no primeiro, que foi um verdadeiro choque frontal - com a péssima escrita desta colecção. Devido à imensa admiração que tenho pelo OVA produzido em 1992 sobre esta história, esperava que fosse algo muitíssimo bem escrito. Pois. Não é. É péssimo. Pensei que talvez fosse devido à tradução, mas aparentemente todo o género das Light Novels é assim e poucas se safam. Posto isto de parte, há alguns elementos que gostei muito neste livro.

 O universo está muito bem descrito. As ideias são repetidas frequentemente e, dado que existem muitos conceitos, isto é bom. No entanto talvez existam conceitos a mais... De uma forma ou de outra, é um mundo paralelo verdadeiramente original, especialmente tendo em conta que isto são os anos 80.

 A minha parte preferida é sem dúvida o desenvolvimento das personagens. Toda e qualquer personagem deste livro tem uma descrição (talvez peque por excesso de descrições físicas, mas não se podia esperar de outra coisa deste tipo de livro) e os personagens principais desenvolvem-se e são descritos perfeitamente, através das suas interacções e do se progresso pessoal.

 As ilustrações são uma miséria. Uns traços para aqui e para acoli, parece que demoraram meia hora a ser desenhados.

 Mais uma vez fomos brindados com uma cena sexual. Muito boa, por sinal. Se calhar é por isto que Ai no Kusabi é um clássico. Porque além de ser dos primeiros dentro do género BL, tem umas cenas de sexo do melhor que há!

 Fico à espera do próximo volume, que está ali na prateleira pronto para ser lido. Espero que a escrita melhore, ou então isto será um sofrimento grande até chegar ao fim.

28.6.11

Hyakujitsu no Bara

 Original Review @ http://myanimelist.net/profile/ladyxzeus/reviews



Hyakujitsu no Bara
Anime - 2 episódios
2009
7 em 10

Hyakujitsu no Bara, ou Maiden Rose, é uma compilação muito resumida de um manga que tem mais nele do que esperaríamos à primeira vista. Temos dois países em guerra, um príncipe de um país que tem um cavaleiro do outro. Uma história Shakesperiana que - devido a falta de tempo - nunca foi explicada. E este é o principal problema com este anime. No entanto, tem uma história. Isto é, por si só, um grande feito para uma animação de BL, onde se esquecem de argumentos e personagens para agradar à fangirl rábida.

A arte é cuidadosa e limpa, bonita mas não fantástica. A animação não pode ser considerada uma obra prima, mas é feita com mestria. E isso é suficiente. O mesmo pode ser dito de OST e efeitos, sem esquecer os actores de voz. Para algo supostamente sensual, os actores pareciam bastante tímidos.

No entanto há algo que compensa isto: os personagens. Eles são sólidos e têm desenvolvimento, mesmo com os 60 minutos de tempo de antena que lhes foram concedidos. Os designs são lindos e apesar de podermos considerar algumas acç
ões faltosas de acordo com o que sabemos deles, acredito que isto é parte daquilo que conseguiram pessoalmente, para surpreender o espectador.

Em suma, um trabalho muito bom. Precisávamos de algo assim neste género. Tensão sexual, violento e perturbador por vezes, mas muito amoroso no final. Muito recomendado para a fangirl rábida.

27.6.11

Mononoke

Review Original @

Mononoke
Anime - 12 episódios
2007
9 em 10

Mononoke aparece como a continuação das aventuras de um certo personagem da última parte da série Ayakashi. Para complementar o vosso prazer de visualização, mais alguns arcos foram acrescentados, usando um estilo de arte original e uma forma de contar a história engenhosa, com o único e honesto objectivo de nos contar histórias que podiam ser a nossa.

A arte é, de longe, a parte mais impressionante desta série. Uma explosão de cor que nos lembra o epítomo artístico do Japão antigo, uso inteligente de mixed media e um design cuidadoso para cada tema fazem de Mononoke um doce para os olhos. Cada detalhe merece admiração, como uma pintura que se movimenta. A animação é simplexmente soberba, constantemente adaptando-se a novos estilos e temas que são usados para cada história.

Os personagens acabam por ser uma parte do seu fundo, numa existência praticamente bidimensional. No entanto são muito detalhados, especialmente considerando todos os intricados padrões de roupa e de ccorpo que decoram as suas personalidades.

Continuando, os personagens podem estar muito bem concebidos em termos visuais, mas o que os faz único é a maneira como foram feitos emocionalmente. Cada personagem te uma existência distinta, mesmo que alguns só apareçam mais tarde. Os personagens de cada arte são completamente dependentes da história a que pertencem, mas poderiam fazer sentido como indivíduos fora dela. Mas, o elemento impressionante deste grupo é o principal e recorrente personagem, Kusuriuri - O Vendedor de Remédios. Este homem misterioso é a ferramenta que faz o anime continuar, dentro das mesmas histórias e de história em história. Ele não tem qualquer tipo de caracterização, mas aparenta ser o mais palpável dos personagens. Por alguma razão, ele sai do (eventual) imaginário ou místico para ser alguém que existe.

Kusuriuri, o misterioso vendedor de remédios, move-se de arc em arc resolvendo estranhos acontecimentos que assaltam os outros personagens. A única coisa em comum no meio de tudo isto é que cada problema é provocado por um monstro, fantasma ou espírito, algo criado especificamente para assombrar aquele grupo de pessoas. À medida que ele descobre mais sobre os acontecimentos, as razões por trás da aparição revelam-se. E o resultado é, na maioria das vezes, algo de extrema beleza. A narrativa é básica no sentido em que os personagens revelam as suas acções e a cronologia da história, mas cada arco é tratado com tanto cuidado e carinho que até o evento mais simples é transformado em poesia.

As músicas OP e ED são menos que memoráveis. No entanto, o que marca Mononoke não é a música, mas o som. O uso de efeitos correctos nos momentos correctos dá o efeito de mistério e medo. Em certa medida, pode ser inspirado em pelas de Kabuki. É orginal neste sentido mas, de outra forma, bastante mediano.

Uma série de histórias fantásticas que tocam todos os temas do folclore Japonês, liderada por um dos melhores personagens alguma vez criados e coroado por uma arte verdadeiramente original. Uma obra-prima em termos artísticos. Ver Mononoke é como ler um poema da época Heian: pequeno, por vezes até simples, mas tão rico em detalhe que não podemos impedir que "o orvalho molhe as nossas mangas".

O Início

Ora bem, olá. Eu sou a Lady.

Decidi criar este blog devido ao facto de não me apetecer estudar. Consequentemente, faço coisas que são... Bem... Não estudar. E como o faço muito, porque não criticar?


Por isso aqui vou falar das coisas que vejo e faço. Filmes, Séries, Livros - Manga incluído -, Séries - Anime incluído - , Teatro e assim por diante. Concertos não, isso é noutro blog.

Aproveito este post também para explicar uma coisa.

Eu classifico as coisas de 0 a 10. A minha média é SEMPRE 6. Porque eu sou mesmo boazinha.

Por agora ainda falta um bom bocado para eu acabar de ver o que quer que seja. Por isso vou traduzir algumas críticas que já tinha feito noutros sites. :)

Espero que seja boa fonte de entretenimento.